A Ogra

Já cheguei à conclusão de que minha TPM tem proporções catastróficas. Fiquei me perguntando se eu iria ou não postar algo para vocês, já que quando estou nessa fase negra da minha vida eu me torno altamente mal humorada e intolerante.

Hoje acordei com O mau humor. Foi um pouco reflexo de algo que aconteceu ontem. Todas que já me conhecem sabem que eu sou muitas vezes rigorosa e severa demais. Algumas pessoas até têm medo de mim, e acham que eu vou morder. Mas nos momentos em que estou de bom humor e falando besteira, todo mundo esquece da bruxa que sou, e acabam rolando de rir com as besteiras que falo. E ontem me disseram que falando besteiras como eu falo às vezes eu me mostro uma pessoa pouco profissional e sem postura. Eu confesso que fiquei chocada com isso, pois quem realmente me conhece sabe que não sou uma pessoa pouco profissional e sem postura. Não é porque estou me divertindo e falando besteira que não sou profissional ou não tenho postura. Aliás, eu não acho que quem seja profissional e tenha postura tenha que ser sempre séria e carrancuda, não podendo ser uma pessoa divertida que possa falar besteira para descontrair de vez em quando. Eu já sou carrancuda naturalmente, e até meio seca, além de curta e grossa. Se eu não mostrar naturalmente meu lado divertido, o que vão pensar de mim? Que sou uma ogra? Será que uma pessoa profissional e com postura tem que se mumificar e ficar igualzinha 24 horas por dia? Não! Não acho e não concordo.

Minha reação a esse tipo de crítica é basicamente a mesma: eu me afasto, e vou ser como sou em outras bandas, nas áreas do meu domínio, porque sei que não sou uma pessoa pouco profissional e sem postura. E não vou deixar de ser o que sou, nunca. Sou feliz sendo severa, rigorosa, chata, sarcástica, sincera, divertida e falante de besteiras. Não é da minha natureza ser uma pessoa que não sou, ou fingir que sou sempre de um jeito.

Todos nós temos várias facetas. Ora somos assim, ora assado, dependendo somente do ambiente em que estamos. Bem, falo por mim. Se me sinto bem em um lugar, é natural que role umas faladinhas de besteiras. Se eu não me sinto bem no lugar, geralmente eu quero me mandar, cair fora, sumir.

Esta semana rolou esse papo no Face. Algumas pessoas comentaram que aprenderam a gostar de mim porque viram que ser sincera não implica necessariamente em ser grossa. Eu sou sim, muito sincera, e acabo sendo sarcástica porque tenho uma certa impaciência às vezes quando vejo a dificuldade alheia para enxergar coisas óbvias. Acho que às vezes sou sincera até demais, em comparação com as demais pessoas. Aliás, eu não sei como uma pessoa não consiga ou não queira ser sincera. A sinceridade faz parte de mim, como o ar que eu respiro. Se eu não falar o que penso, me sinto mal. É claro que eu tenho me policiado há vários anos para tentar não ser tão sincera, em momentos que não requeiram sinceridade, ou então ser sincera de uma forma que não agrida as pessoas. Sim, agrida, porque eu sou realmente uma ogra. Sou “feia e casca grossa”, mas tenho um ótimo coração, e EU sei disso. Quem me conhece sabe disso, também. Eu não escolho as palavras para dizer o que penso, e muitas vezes acabo parecendo grosseira, mesmo sem querer ter sido. O problema é que as pessoas, que não estão acostumadas com a minha sinceridade, acabam achando que o que eu falo soa como grosseria. Por isso eu digo aos quatro ventos para quem quiser ouvir: Ame-me ou deixe-me! Quem gostar de mim, terá que gostar de mim do jeito que eu sou, sabendo que eu sou séria quando tenho que ser, e divertida quando preciso ser. Quem não gostar das minhas peculiaridades, ou terá que aprender a conviver com elas, ou se retirar da minha vida. Isso não quer dizer que eu seja uma má pessoa. O problema é que eu não quero incomodar ninguém com meu modo de ser. Por isso, prefiro me afastar.

Fatores que contribuíram para meu mau humor hoje: 1) meu computador deu pau de novo – mas por sorte futuquei e consegui fazer funcionar. Resta agora saber se amanhã vai funcionar; 2) Estava havia 3 dias sem internet. Eu sou cliente do mesmo provedor há mais de 8 anos, e nunca tive problemas. De uns meses pra cá já fiquei vários dias sem internet, e pior, pagando sempre valor integral na fatura. Agora vou ser cri-cri e ligar toda e qualquer vez que ficar sem internet, pois vou SIM reclamar desconto na fatura. 3) A pintura da minha casa começou hoje. Isso significa: bagunça, gente estranha na minha casa, dinheiro indo embora da conta, minha viagem cada vez mais longe. 4) Ando sem saco para trabalhar, e com clientes enchendo minha caixa de entrada de emails implorando trabalho. Mas sei que sem trabalhar não ganho dinheiro, e não ganhando dinheiro, verei minha viagem cada vez mais longe (não pense que eu sou metida ou esnobe quando falo de viagem. Viagem para mim é a única coisa por que vivo, depois da minha filha e mãe. Se eu não viajar, o sentido da minha vida acaba). Me questiono até quando terei sanidade mental para ganhar dinheiro na minha profissão, e inevitavelmente começo a pensar no futuro. Daí vem aquela avalanche de pensamentos macabros que me atordoam a cada TPM, inclusive “Será que vou terminar minha vida como uma ermitã?”

Minha revoltinha foi tanta que cotoquei as unhas. Me irritei, sei lá. Fato é que eu “jantei as unhas na lixa”. A vontade que tenho é nem mais pintar as unhas. É claro que o “meu buraquinho” contribuiu também para eu perder o brilho nos olhos por esmaltar – quem me acompanha sabe do que estou falando. Estou com vontade de ficar sozinha e ao mesmo tempo preciso de amigos. Daí volto ao início do ciclo… quem quer ficar perto de alguém que é sarcástica e rabugenta como eu?

Olhem, só tenho que pedir desculpas a vocês. Vinha para casa, do curso, pensando se deveria ou não escrever algo para vocês, ou simplesmente não postar nada. Imaginei como deve ser um saco ler sempre a mesma ladaínha todo mês.

Vou fazer o que faço sempre que as coisas não estão bem: vou virar para o lado e dormir, tentando fingir que não escuto a merrrrrrrrrrda do cachorro do novo vizinho uivar dia e noite. Pode ser que amanhã eu acorde com um humor melhor, ou talvez com vontade de pintar as unhas. Mas agora, como estou, quero passar longe de esmaltes, e nem a coleção completa de Chanéis me encheria os olhos.

Boa noite, meninas. A ogra agora baterá em retirada. Quero só dizer para vocês que eu gosto muito de vocês, e lamento ficar amarga de vez em quando.

Bjs

Adri

Anúncios

Sobre Adri Portas

Tradutora, Blogueira e Filósofa (da vida)
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

32 respostas a A Ogra

  1. Janaina diz:

    Duas coisas eu aprendi ao longo destes meus 36 anos:
    1) as pessoas não tem bola de cristal. Quando eu e o marido começamos a namorar eu jurava por Deus que ele tinha uma. Levei um tempo (a lenta) p/ perceber que era muita injustiça minha esperar que ele lesse o meu pensamento. Parece ridículo, mas tem muita mulher que age assim.
    Agora, se uma coisa me incomoda, falo direta e claramente, seja p/ homem ou mulher. Esperar que quem quer que seja adivinhe ou leia nas entrelinhas é demais. Por isso, não fique chateada: o problema não é com vc. =)

    2) ser sincera, eu acho muito bom. Acho uma delícia poder contar com isso em uma pessoa. Saber que dali sairão palavras honestas e opiniões verdadeiras é um alívio. Se não quer ter isso, não pergunte. Eu me considero bastante sincera, mas pela minha personalidade, sempre presto atenção à maneira como apresento as minhas palavras. Procuro atentar p/ o momento da pessoa. Tem horas que se vc for na lata, atrapalha mais. Espero um pouquinho e vou num momento mais oportuno.
    Minha sogra é uma pessoa agressiva na maneira dela de tratar quem quer que seja. Ela é capaz de dizer que te ama, de tal maneira, que qualquer um juraria que ela iria te dar um tapa na cara. Uma vibe totalmente anti-eu. Isso me fez colocar 1500 km entre nós. Eu sou assim: não gosto de confrontos. Se algo me incomoda, eu me afasto. O-DEI-O argumentações, discussões, embates de qualquer gênero.
    Nunca conversei c/ vc pessoalmente, Adri, mas lendo os textos que escreve, não acredito que a sua “ogrice” (isso existe?!) seja assim, tão horrorosa. Eu pelo menos não me mudaria p/ o outro lado do país por sua causa. Olha que coisa boa!!!!Hahaha! =D

    • hahahahahahahahahaha Olha que coisa boa! Pelo menos não causo repulsa em vc! uhahuahuahuahuuhahua
      Mas eu sou meio tipo sua sogra, sabia. Eu sou meio bronca, e é por isso que eu me intiulo ogra, pois apesar de ser grosseirinha, tenho um bom coração. Se não for ogra, me intitulo Quasímoda (a feminina do corcunda de Notre Dame).
      Um agravante em mim é o fato de eu ser surda, e como tal falo alto. As pessoas se assustam com meu tom de voz. Mas é normal que surdos falem alto, quase gritando. Eu sou assim, hehehehe.
      Bjus kida!
      Adri

  2. Ericka Farias diz:

    Tenho problemas parecidos com os seus, profissionalmente falando. Já me falaram que meu jeito colorido de ser não me deixa com uma aparência profissional. Eu me imporatava qndo era mais nova, mas agora eu não quero nem saber! Falo besteiras, não deixo de usar minhas roupas com estampas fofas, mto menos de pintar minhas unhas com as mais variadas cores. Meu chefe atual nem liga! No começo, ficava um pouco desconfiado, mas depois aprendeu a confiar em mim. E ele é desembargador, o clã mais sisudo da face da terra. Como só trabalho 5 horas, pego algumas revistas de ongs e sindicatos para fazer. Sou jornalista e tb sei diagramar, então escrevo os textos e entrego a revista prontinha para rodar na gráfica. Apesar de me falarem que passo uma imagem bobona, fútil e infantil, nunca faltou pedidos de revistinhas chegando na minha caixa de e-mails. Tb sei bem o que é lidar com prazos apertados e clientes difíceis de agradar. Só nos resta ter paciência

    • gabimoura24 diz:

      Interessante isto Ericka, pois também já me olharam atravessado porque gosto de coisas rosinhas, coloridas, mimosinhas, bichinhos, personagens infantis. Também já reclamaram ou me sugeriram, como quiseram chamar, que eu devo ser menos “dada”, menos acessível senão eu me magoarei mais facilmente, que eu tinha que ser menos afetuosa porque as pessoas não devem ser assim, não gostam deste tipo de gente dadinha assim. Fiquei espantadíssima!! Será que tanta gente não sabe lidar bem com o toque? Com a proximidade, com a afeição? E me disseram isto aqui em Porto Alegre. Aos poucos fui entendendo melhor!

    • Bom saber que eu não sou anormal, hehehehehehe. Se há outras pessoas como eu então fico feliz, pois eu realmente me preocupava achando que eu devia ser incomum. Acho que as virtudes e qualidades das pessoas devem ser enxergadas sem preconceitos, já que a competência não tem absolutamente nada a ver com alguns gostos exóticos que possamos ter. É claro que mesmo tendo gostos exóticos, devemos saber a hora em que realmente precisamos estar “normais”, heheheheh
      No meu caso, falar besteira e fazer papel de boba da corte me diverte. Mas preciso realmente estar “in a mood” para incorporar esse papel, que geralmente vem naturalmente. Na maior parte do tempo sou sisuda mesmo.

  3. gabimoura24 diz:

    pois é, é natural ficar ruinzinha às vezes, ter dias terríveis e agir atravessado, o que penso é que não podemos manter isto como traço definitivo de personalidade, carregando o mau humor e ranzinzisse no coração diariamente, exigência demais conosco e com os outros. Assim como queremos que sejam tolerantes conosco, com nossa forma de ser, precisamos ser coerentes e sermos com os outros também que têm seus estilos e formas de lidar com tudo na vida, não podemos olhar os outros apenas pelo grau de nossos óculos e chutar o balde só porque são diferentes do que pensamos, de nossa educação. O equilíbrio é difícil. Marido sempre me diz que eu quero que me aceitem e respeitem meu jeito e escolhas, mas eu não aceito o jeito dos outros. Não tá feliz com fulano na tua vida? Te afasta e pronto. Mas ele esquece que não é simples assim, são parentes, amigos de trabalho… gente que convivemos diariamente sem poder evitar.
    complicado… mas pode ser leve… sermos sinceras, mas se por no lugar do outro, pensar na possível forma como o outro melhor receba nosso ato, ao sermos criticadas, perguntar de que forma o outro gostaria de ser criticado ou questionado e achar um meio termo sem ofendermos a nós e a quem nos ouve. Cada um é peculiar e individual em sua forma de ser e de receber as coisas.
    Eu mesma, me preocupo com isto, sempre to cuidando com o que digo e como digo, pois sei na pele o que é levar umas rabiabas de quem não se põe no meu lugar, de quem num tá nem aí com a forma que fala, pois o que falamos vai interagir com o subjetivo do outro e quanto ao subjetivo ninguém tem propriedade de saber como se constitui né?!
    acho que a solução é sempre dialogar, perguntar a melhor forma de interagir. Fleixibilidade é o caminho… eu tento flor, eu tento!
    beijoooooooooooooooo

    • O grande problema é ser impulsiva demais. Não consigo pensar antes de agir. Já tentei de tudo. Se for assaltada, morrerei na certa, porque uma reação minha seria inevitável.
      Como sou sincera e não consigo mudar isso, e como as pessoas que não são sinceras e acham isso normal, não sabem dialogar, geralmente a coisa desanda. Por isso me afasto. É melhor.
      Quem me conhece já sabe como sou, e sabe que muitas vezes falo algo sem intenção de ofender, mas isso acaba acontecendo. Digamos que eu seja sutil como um rinoceronte. Não faço por mal, mas as pessoas não aceitam. Então, eu caio fora. Melhor.
      Foram 45 anos tentando mudar, e como não consigo, desisti. Joguei a toalha.
      Por isso, quem gostar de mim vai ter que saber e entender como sou e aprender a lidar com isso, ou então, simplesmente vire as costas para mim. Simples assim.
      O que importa é que eu não faço por mal. E quando vêm conversar comigo, peço desculpas, se for o caso, mas preciso que dialoguem, sim. O importante é que venham até mim dizer que não gostou disso ou daquilo, porque como para mim eu não fiz nada de mau, eu fico sem saber se a pessoa está ou não chateada comigo. Não tenho bola de cristal.
      Obrigada por expor seu ponto de vista.
      Bjs
      Adri

    • daisygaray diz:

      Eu gerei uma ogrinha, Adri! E sou a primeira a abraçá-la quando a TPM começa…isso geralmente faz as “armas” caírem! hahaha Mas nem sempre funciona! Quando eu tinha os dias de ogra também, ela sabia que a brabeza dela não poderia ser maior que a minha, nem poderia acabar com o sorvete de chocolate sem me avisar! Aí sim a coisa ficaria feia!

    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk morry!

    • gabimoura24 diz:

      Deusulivre, não seja assaltada!!!!!!

    • Gabi, tu é psicóloga/terapeuta/something like that? hehe
      Adorei tudo que disseste. Já disse pra Adri que tb acho que a melhor solução é uma boa conversa. Mas tem que esperar a TPM passar primeiro, hehe

    • gabimoura24 diz:

      hehehehe oooo Nina, sou Psicóloga de profissão, mas acho que abrindo espaço pras reflexões e permitindo se permitir, qualquer um faz coisas lindas consigo e com o mundo em volta. Adri, nossa ogra querida, diálogo é tudo mesmo. Aqui em casa discutimos muito sobre esta questão, marido pensa que pau que nasce torto, morre torto, eu já não penso isto, e diariamente repenso o ponto ideal para nem queimar nem deixar cru a qualidade de cada relação que tenho na vida, pois são elas que me fornecem força e amor pra continuar a caminhada. Precisamos sim, sermos honestas conosco, com nossos sentimentos e valores e a partir disto ir caminhando a passos lentos rumo à melhor troca interpessoal. Empatia é um grande passo! Todas nós temos nossas limitações, mas não creio que devemos ficar paralisadas num auto-conceito pro resto da vida. Temos chances diárias de sermos diferentes naquilo que nos incomodar, naquilo que for interessante para construirmos melhores relações, é arregaçar as mangas se realmente for importante.
      Beijuuuuuuuu

    • Certo, mas e quando eu acho que falei tudo normal e a pessoa não recebeu de forma normal? Faço como? Se não tenho feedback dela, passo por antipatica somente? Eu só posso dialogar, ou pedir desculpas, ou explicar o que eu quis dizer, se a pessoa me falar que não gostou ou sei la o que. Se ela não disser nada, continuarei achando que eu falei normal, como todo mundo fala, pois para mim, eu falo normal, só sou um pouco mais direta e não faço rodeios do tipo “o gato subiu no telhado” (se é que vc conhece essa piada). É dificil tentar se corrigir sem a ajuda das pessoas.

    • daisygaray diz:

      Correção? Pode até ter um policiamento da tua parte, mas correção é exagero! A tua sinceridade é parte da pessoa Adriana, junto com outros vários fatores. A gente decide se gosta ou não, se aguenta ou não, todo o conjunto. E ninguém pode ficar analisando cada um que aparece na frente, né? Seria terrível passar o dia pisando em ovos! Acabou de passar um gato no telhado do vizinho…e nem é piada. Ele sobe todo dia para olhar os ninhos de passarinhos que tem nas árvores. Tem uma amoreira, os passarinhos se fartam, e o gato se baba muito…espero que não acabe mal!

    • De fato, Day, vc definiu da melhor forma: pisar em ovos. Seria uma droga ficar pisando em ovos 24 horas. Eu acho que é mais ou menos por aí. Procuro não falar muito com pessoas que não conheço, mas se sinto que estão dando corda me animo um pouquinho mais. Tento ser a mais cortês possível, para não assustar ninguem, hehehehehe.

    • gabimoura24 diz:

      Não flor, não é pisar em ovos diariamente, isto enlouqueceria e realmente ninguém tem que se responsabilizar pela forma com que o outro vai digerir as coisas. O feedback pode não vir de D, mas se a gente já tem um histórico de queixas sobre tal comportamento nosso vindo de A,B,C sobre certa forma de falar e agir, já dá pra ter uma ideia do quê está precisando de uma reflexão, uma olhada e melhorada até para não gerar estas crises íntimas, questionamentos quanto ao nosso jeito que está desencadeando mágoas e chateações para as pessoas que mais nos importam.
      Um amigo de meu mozinho sempre foi bem “sincero” na forma de ser, pouca gentileza até com a esposa, e ele levantava a bandeira de que ele era daquela forma e pronto, fim, irredutível. Ele sempre foi muito irredutível, de dar fora em todos, sempre entrando com os dois pés. Mas ele também sempre muito carinhoso, amigo, mas duro sabe! Daí ele foi se dando conta de todas as queixas das pessoas sobre ele, a mesma queixa que a esposa tinha dele, hoje, ex-esposa. Então ele percebeu que as pessoas estavam preferindo viver sem ele na vida delas por causa deste jeitão e isto estava trazendo infelicidade pra ele. Agora ele tá na terapia para tentar entender tudo isto e melhorar no que for necessário sem agredir a forma dele pensar, mas conseguir ser menos duro e não afastar quem ele ama.
      E me explica esta piada que eu nunca ouvi!!
      Bjs

    • O Manoel veio para o Brasil e deixou seu gato de estimação aos cuidados do Joaquim.
      Tudo ia muito bem até que o Manoel recebe uma carta do Joaquim, dizendo: “MANOEL, SEU GATO MORREU”.
      O Manoel ficou desesperado e ligou para o Joaquim recriminando o modo como o amigo dera tão cruel notícia. O Joaquim, sem saber como consolar o amigo, perguntou como poderia ter transmitido o infausto ocorrido. Manoel lhe respondeu:
      -Você deveria ter escrito uma carta da seguinte forma: “Manoel, seu gato subiu no telhado”. Após uma semana, mandado uma outra carta: “Manoel, seu gato escorregou do telhado”. Na outra semana uma nova carta: “Manoel, seu gato caiu do telhado”. E só então, numa correspondência final, pois aí já estaria preparado, para o desfecho final: “Manoel, seu gato morreu”.
      O Joaquim se desculpou e a vida continuou com o Manoel no Brasil e o Joaquim lá em Portugal.
      Num determinado dia o Manoel recebe uma carta do Joaquim que dizia: “MANOEL, SUA MÃE SUBIU NO TELHADO”

      Qualquer semelhança com o assunto debatido, é mera coincidência. Só digo uma coisa, sou neta de portugueses! Talvez tenha um parentesco com o Joaquim!

    • daisygaray diz:

      Sempre lembro desta piada quando passo pela portaria do prédio, e o zelador deixou um bilhete: “estou no telhado”!

    • uhauhahuahuahuahuhua espero que ele nao tenha intenção de se suicidar!

  4. ViviK diz:

    Eu queria dizer só uma coisa referente ao “Ame-me ou Deixe-me”… Eu fico na turma que te AMA!!! 😀
    Nunca vi vc ser grossa, irônica ou sarcástica por aqui. Ou tratar a leitora como se vc fosse a “The Best”, e ela fosse a “The Besta”. Vc tem e medida certa de humor em todos os momentos, e nunca vi vc sendo mal educada com ninguém. E olha que já estou por aqui há alguns meses… Vc não tem cara carrancuda! Mto pelo contrário! Vc é um docinho! Claro que todas temos maus momentos, principalmente na semana vermelha, mas isso é totalmente normal e compreensível!
    Então, minha querida, fique tranquila e seja vc mesma, sempre! E pensa que o problema pode estar na pessoa que te falou essas barbaridades. Mta gente tem olhos e ouvidos seletivos. Só vêem o que querem.
    Bjoooooo sua linda!

    • Vivi, dear, obrigada por suas tocantes palavritas. E obrigada por amar-me, hehehehehhe
      A outra pessoa estava num mau dia também, e como dois bicudos não se beijam, houve um curto-circuito. Mas nada que possa ser reparado. Amigos também brigam, e fazem as pazes como todo mundo. O que importa é que independentemente disso nunca falte respeito. Quando estamos em um mau dia a gente acaba interpretando coisas de uma forma diferente ou errada, ou então sendo mais ríspidos com quem se gosta. O importante é sabermos que somos humanos, e como tais, somos passíveis de inúmeros erros. Perfeito, só Jesus!
      Tenha um ótimo dia, chèrie!
      Bjs
      Adri

  5. Sueli Castro diz:

    Oi Adri…espero que vc esteja melhor hoje…não se preocupe com sua “ogrice”, todas nós somos nesse período de TPM, além de loucas tb pq não podemos esquecer que num momento estamos rindo e, em segundos, estamos chorando ou gritando, enfim….loucas de dar dó…fique bem…bjs…Su

  6. Nadine diz:

    As meninas já disseram tudo… Eu estou entrando na minha fase ogra também… Vai voar marido e cachorro pra tudo que é lado aqui! O filho nós engolimos um pouco melhor! hahaha
    Espero que acordes melhorzinha hoje! Nada de desânimo, hein?!?
    Beijocas!

  7. Rosângela. diz:

    Bom Dia Adri…..
    Passando para reafirmar que ogra ou não, sempre que venho aqui percebo que existe uma pessoa linda, inteligente, muito engraçada e que, acima de tudo, é um ser humano de grande coração. Quanto ao seu profissionalismo, sua caixa de email com pedidos desesperados de clientes satisfeitos é um reflexo disso. Conheço muitos profissionais que são rigorosos, ríspidos e só sabem mandar e quando necessitam executar um trabalho, o fazem mal e sem critério.
    Por isso, sou sua fã!
    Bejim……

  8. daisygaray diz:

    Todo mundo tem direito a ser uma ogra, pelo menos uma vez por mês! Meus meses estão melhores, embora no verão eu prefira estar no Alasca, a ficar contando os minutos que restam para matar o primeiro…Devemos ficar longe de objetos perigosos como armas, facas, tesouras e lixas de unhas, no teu caso! Nestas horas qualquer problema toma proporções exageradas, e incomoda bem mais do que deveria, e o pior é que não deixa ver o que tu tem de bom, todas as tuas conquistas. É bem provável que amanhã, quando tu acordar e ler este comentário, a ogrinha já tenha ido embora e tudo esteja nos lugares certos…menos as unhas, que vão continuar curtinhas por mais uns dias, mas podem ser pintadas! Um beijão, Adri!

    • Vc sempre com sábias palavras, Day. E nunca perdendo o veio humorístico. O “lixas de unha, no meu caso”, foi ótimo!
      É…espero que essa boa noite de sono me faça bem! Ops! meia-noite! Hora de virar abóbora! Fui!
      Boa noite!
      Bjs

  9. Concordo plenamente com a Furlanneto…. temos o direito de nos sentirmos irritadas de vez em quando, e te garanto, quem gosta da gente, nos aceita como somos……se não gosta, dá o fora!!!!!! É muito melhor temos qualidade nas nossas relações do que quantidade, até porque é na dificuldade que conhecemos os verdadeiros amigos……. Sua fase ruim vai passar com certeza, e outras virão, e vc vai ficando mais seletiva…. é natural…. bjus miga e melhoras!!!!!!

    • Nossa, a gente só percebe que está sempre batendo na mesma tecla quando percebemos que estamos sempre ouvindo as mesmas palavras de apoio. Eu devo estar muito chata! Acho que nem eu estou me aguentando! Minha mãe parou de telefonar para uma conhecida que tem porque toda vez que telefonava a mulher reclamava de problema de saúde. Era meio hipocondríaca a doida. Então era tão chato ouvir sempre a mesma conversa que minha mãe nunca mais telefonou. Daqui a pouco todas vão debandar daqui também! Deve ser um sacooooooo “ouvir” minhas lamúrias!

    • É nada……eu pelo menos me identifico muito e vejo que não estou sozinha….huhuhuhuaaaaa!!!!!!!

  10. furlannetto diz:

    Menina, natural ficar azeda de vez em quando. Lendo seu post parecia que estava de frente ao espelho. Precisei de terapia pra enxergar muitas coisas, uma delas foi ver que tenho o DIREITO de ficar irritada, triste e magoada. Não é fácil ser muralha o tempo todo. Talvez isso também se aplique a você. Mas… a vida nos chama, colocamos o salto, bom perfume, esmalte predileto e seguimos em frente. Afinal de contas, as ogras também são amadas!

    • É… são sim, com certeza. Infelizmente somente por um pequeno número de pessoas, que têm sensibilidade para lidar com diferenças e aceitar as pessoas como elas são. O problema mesmo é sair dessa fase negra. A ansiedade é tanta que às vezes parece que não vai acabar nunca o momento ruim.
      Bjs linda
      Adri

Obrigada pela visita e pelo seu comentário!!! <3

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s