Pinky – Pamela Grant

Restauradas as energias, acordei hoje às quase 7 da manhã. Um novo dia, sol, ânimo para trabalhar. Parece que nada aconteceu ontem. Nada como uma boa noite de sono. Agora entendo porque tanta gente quando está com problemas toma comprimidos para dormir. Eu nunca fui chegada a isso não, porque tive um caso na família que era meio assim, “amiguinha demais” de um comprimidinho pra dormir. Tão amiguinha que um dia quase se foy. Isso me causou um certo trauma. Mas eu sempre soube que se eu dormisse, o dia seguinte seria sempre melhor. Mas nem sempre eu conseguia dormir na hora que queria. Às vezes era difícil dormir.

Bem, isso aconteceu até que eu descobri que passei a ser alérgica. A gente vai ficando velha vai aparecendo um monte de porcaria… Enfim, descobri que tinha alergia a poeira e outras coisas (ao marido também, talvez). Durante algum tempo, tomei vacina para alergia. Talvez uns 9 meses. Toda semana era uma espetada. Um belo dia, a vacina que eu tinha acabou, eu esqueci ou fiquei com preguicinha de comprar mais e passaram-se alguns meses sem eu comprar mais vacina. Como os sintomas da minha alergia passaram, eu simplesmente esqueci da vida e não comprei mais nada. Até porque a vacina era cara. Alguns anos depois, eu voltei a sentir umas coçadinhas aqui e ali, e resolvi procurar o tal médico. Para minha surpresa ele voltou pra terra dele, na Bahia. Tentei achar algum outro alergista na minha cidade que fizesse tratamento com vacinas, mas nada. Aqui, naquela época, ninguém tratava alergia com vacina. Me deu muita raiva. Tem hora que morar em cidadeca irrita. Aqui, diga-se de passagem, os médicos são péssimos até hoje. Muitas pessoas que conheço vão a médicos no Rio de Janeiro, porque não confiam nos médicos e hospitais daqui.

Enfim, como não tinha vacina, a médica em que fui me deu uns comprimidinhos antialérgicos. Olha, era um caos. Toda vez que eu tomava o tal comprimido me dava um sono looooooooooooouco. Eu nunca atinei que era por causa do antialergico. Até que um dia, eu estava na casa de uma amiga, e me coçando feito um cachorro pulguento, eu saquei um comprimidinho da bolsa e tomei. Continuamos o papo, e uns 20-30 minutos depois, já à mesa para almoçar, eu quase mergulhei a cara no prato de tanto sono. Era um bocejo a cada 10 segundos. Minha amiga, que tinha visto eu tomar o remédio, falou que o sono todo era por causa do antialérgico, e que normalmente esse tipo de remédio dá sono. Foi então que descobri a pólvora! Remédio antialergico faz dormir! uhauhauhahuauhahu

Em alguns momentos da minha vida, quando ainda morava com o ex, e a gente brigava muito – sempre por causa dos filhos dele – eu fiz uso do santo comprimidinho para apagar. Hoje estou mais zen, sem motivos para querer apagar, já que não tenho mais marido e nem brigo mais com ninguém. Portanto, nunca mais usei este artifício para dormir. Ontem apaguei espontaneamente, pois estava exausta.

A única coisa que me tirou um pouco o humor refeito foi o chá de Detran que tomei hoje. No diacho do sistema do Detran eu agendei minha vistoria para as 10:15h. Para minha surpresa, o pessoal do Detran dessa cidade divina não respeita o tal horário, e manda todo mundo para uma fila única, por ordem de chegada. Quando cheguei, havia uns 30 carros na minha frente. Quase enfartei. Fui pra fila e fiquei fuçando a internet no meu celular.

Levei quase duas horas para chegar no início da fila, e quando fui entrar, descobri que carro a diesel era em outra fila. Gente, eu quase tive um treco. Vi um monte de gente que estava atrás de mim na fila de gasolina e álcool passar na minha frente, e o diacho da caminhonete que estava sendo vistoriada não saía do lugar. Olha, foi triste. Foram exatas duas horas e meia mofando naquele lugar. Depois que finalmente coloquei o carro no local da vistoria, eu só consegui ser atendida rapidamente, porque um homem (muito charmoso, por sinal, mas usava uma aliança, uhahuahuahuahuahu) me perguntou se podia ajudar, já que eu estava em pé na porta da sala do diretor, que fica ao lado de onde meu carro estava, e daí eu aproveitei a deixa e comecei a choramingação. Funcionou. Ele mesmo vistoriou meu carro, e nem olhou o meu extintor (mas eu inevitavelmente olhei o dele, kkkkkkkkkkkk). Foi vapt vupt!

Eu nem ia pintar a unha hoje. Mas minhas cutículas hoje estão tão dyvas, que eu resolvi pintar. Nem passei creminho depois que esmaltei. Fiquei tão felizinha por isso!

Usei hoje o esmaltinho que vamos sortear dentro de 5 dias: o Pinky, da Pamela Grant (o meu vidro, que tenho igual, claro).

Ele é um cadim ralinho. Passei 3 camadas. Mas o brilho que vocês podem ver abaixo, é dele mesmo. Não usei top coat, e secou super rápido! O vidro tem 11 ml.

Gente, esse magenta é meio diferente. Ele é meio avermelhado. Não sei se é porque está escuro, mas achei a cor dele linda na unha.

Para quem não sabe, esse esmalte é de uma marca chilena, e não vende no Brasil. Comprei quando fui a Santiago, ano passado, e trouxe dois, sendo um para sortear.

Vamos ver quem será a sortuda que receberá esse esmalte em casa.

Bjos kidas

Adri =)))

230 – Pamela Grant

E lá se foi meu verde emborrachado. Agora estou com uma mão verde e a outra rosada, novamente.

Esse esmalte comprei em Santiago em julho do ano passado. É uma marca Chilena mesmo: Pamela Grant. Eu já tive um Impala mais ou menos nessa cor, mas eu não lembro o nome. Não o tenho mais.

É um esmalte bem cintilante. Eu gosto muito dessa cor, mas é preciso estar in a mood para usá-la. Como eu ainda estava encafifada que eu queria fazer uma zebra rosa, foi ele mesmo o escolhido da vez, já que com aquele infeliz da Nubar a coisa melou.

Primeiro, mostrarei o dito nas unhas, depois a zebra, que ficou muito simpática.

Na verdade, ele não é exatameeeeeeeeente rosa. Ele é um salmãozinho cintilante. A cor é muito bonita. É um esmalte ralo, então tive que passar 3 demãos, pra variar.

Depois resolvi fazer a zebrinha, usando o desenho E5 da DRK-A.

Usei para carimbar o holográfico Scarlet, daquela marca impronunciável. Sim, vocês vão me criticar, porque eu tinha dito que ia jogar fora. Eu só não joguei porque eu sabia que eram bons para carimbar. Podem me crucificar, eu mereço o castigo.  Mas pelo menos eu não menti, dizendo que era o Georgina da Rivka (que eu nunca testei em carimbo). Nisso, pelo menos, tenho a consciência tranquila!

E aí, gostaram da minha zebrinha rosada?

Bjs

Adri =)))

Violet – Pamela Grant

Antes de mais nada, gente, peguem um cafezinho, sentem-se confortavelmente na cadeira e preparem-se para ler O LIVRO. Esse post está gigante. As que não tiverem paciência, vejam as fotos e saiam batido sem comentar mesmo, porque comentar sem ler, vendo só as fotos, dependendo do que comentar, é “sentenciar a sua própria morte” aqui no blog, rsrsrsrsrs. Já teve um caso aqui em que a pessoa viu as fotos somente, fantasiou um cenário na sua cabeça e comentou uma besteira sem tamanho, que não tinha NADA A VER com a realidade ou com o que eu escrevi, o que claramente denotou que a pessoa lixou-se para o texto, só porque queria “bater ponto” ou “marcar presença”, e o tiro acabou saindo pela culatra, porque era tão descabido o comentário que não tinha como não ter certeza que a criatura NÃO LEU O POST, SOMENTE VIU AS FOTOS.

Vamos ao post…

É, mais um roxo… E também com nanobrilhinhos. É legal, aguadinho, mas bonito. Usei esse esmalte como base para outra esmaltação. No início não olhei o esmalte com outros olhos, porque estava focada no FUNDO para outro esmalte. Mas depois que estava na unha, e vi os brilhinhos eu até que senti algo mais forte, mas achei que fosse só um momento súbito de alta no meu biorritmo (é assim mesmo que se escreve, na nova ortografia!!!). Só comecei a perceber que é um esmalte bonito mesmo porque a Nina cacou quando viu os brilhinhos dele.

Vocês podem ver que ele tem brilhinhos azuis e rosas. É bem interessante. Adoro brilhinhos! Esse esmalte comprei em Santiago em outubro. Lá não tem muito esmalte, mas tem alguns poucos interessantes. Esse e o (também) Violet da Petrizzio, que a Nina colocou esses dias, são bem parecidos. Aliás, eu só comprei o meu Violet porque eu resolvi dar o Violet da Nina depois que eu já o tinha comprado. Como não encontrei mais o Petrizzio, e achei esse Pamela Grant parecido, eu fiquei com ele. Aliás, uma falta de criatividade total ou cara de pau descarada de uma ou outra marca, porque ambos têm a mesma cor (pelo menos muito parecida), e o mesmíssimo nome de cor. Só faltava ter o mesmo formato de vidro, mas seria muito desaforo, rsrsrsrsrs. Enfim, esse é um roxo/uva bonito, sim, e não lembro de ter visto algum nacional assim com esses brilhinhos.

Ahhh! Por falar em ROXO, o meu Bourjois Bleu Violet chegou! É o mesmo esmalte do vidrinho de coleção, que comprei no “Free Shops”. Cakay freneticamente, pois agora terei meu roxão em maior quantidade. Vocês vão dizer que é azul, mas É ROXO!!!!!!!!!!!!! Principalmente sob luz fluorescente. Tudo bem que de dia fica meio azulado, e que a câmera teima em fazer a foto ficar azul, MAS É ROXO!!!!!!!!!!!!!! Aff!

E na sessão BF de hoje, eu estou em total desespero porque meu jardim não é tratado há uns 2 meses e meio. Minha grama está tão alta que nem vejo os porquinhos no meio dela (#exagerada). O rapaz que cuidava do jardim simplesmente desapareceu. Eu até que gostei um pouco, porque ele foi arranjado pelo meu ex-futuro-ex-espero-que-não-seja-mais marido, e o cara era pra lá de enrolado. Finalmente resolvi chamar um rapaz que foi um dos primeiros que cuidou do meu jardim, e que, surpreendentemente me cobrou o mesmo preço do enrolado, que eu achava que era barato. Mas minha cidade tem um problema: a maioria dos prestadores de serviço (me incluo nisso) são uns enroladores. Dizem que vão fazer e não fazem. Eu, que achei que nunca chegaria nesse nível,  com pesar, reconheço que estou deixando muito a desejar, principalmente depois que virei Esmaltarada. É complicado a gente gostar de uma coisa e ter que fazer outra. Minha diversão é esmalte e descobrir coisas novas nesse meio; ah, e viajar. Mas eu tenho que trabalhar, e meus clientes ficam me apertando pra entregar logo os trabalhos, e eu escapo “quenem” sabonete no banho, manja? Quando a gente pega o sabonete e ele escorrega da sua mão como se tivesse vida própria? Essa sou eu hoje. tsc tsc tsc.

Por falar nisso, hoje eu estava lendo o post da Marcinha do Le Vernis, onde ela se despede do seu blog porque não tem mais tempo pra ele. Eu hoje estava justamente pensando sobre isso.

Há alguns meses atrás eu procurava ESMALTARADAS no Google, e aparecia lá no alto “VOCÊ QUIS DIZER ESMALTADAS?”. Hoje, eu procurei ESMALTARADAS e apareceu o nome do “meu” blog, com divisões dos itens mais acessados, como os grandes sites têm. E eu fiquei pensando que no comecinho eu achei que ia demorar muito pra esse dia chegar… Aliás, cheguei a achar que eu nunca conseguiria ter um lugar de destaque nessa blogosfera, não porque não achasse que eu tivesse capacidade, mas porque tem uns 250 mil blogs de esmalte atualmente, e eu achei que o meu só seria mais um grão de areia no universo.

Nosso blog fará um ano em abril. De lá pra cá não teve um dia sequer em que eu não tivesse colocado um post, e nem um mês sem fazer um sorteio. E eu fico feliz porque muitas pessoas se identificaram com o blog, e elogiam a forma bem humorada e “não mecânica” com que eu, Nina e Mary (raramente) escrevemos. E de pensar que uma pessoinha que ficou conosco aqui há algum tempo atrás, e que se dizia “muy amiga” e jornalista, chegou a ter a ousadia de dizer (ofendidinha) que meu blog é VULGAR, depois que eu pedi que ela escolhesse entre postar no meu ou no outro blog em que ela começou de repente a postar sobre o mesmo tema (esmaltes), e sem me perguntar se eu me importava ou não de tê-la como “competidora” no outro blog. É claro que eu me importava, afinal, como alguém pode postar em dois blogs sobre o mesmo tema sem acabar copiando ideias de um blog para o outro, já que os blogs todos postam sobre os mesmos esmaltes o tempo todo?

Pra vocês entenderem, ela era a Nina da época, só que mal acabada, principalmente no quesito SINCERIDADE, pois, se falava que era minha amiga, que adorava o blog e a mim, e toda aquela balela, como pôde só mostrar o que realmente pensava quando a encostei na parede? Sinal de que eu tinha uma cobra no meu quintal e não sabia, rsrsrsrsrs. Por isso digo que há males que vêm para o bem. Achei até bom ela ter finalmente mostrado quem é, porque ela fazia uns postzinhos “sem sal”, que a maioria das leitoras, depois que ela saiu, me disse por email que nem lia quando sabia que não tinha sido eu a autora dos posts, porque pareciam ter sido feitos por um robô, sem um pingo de “calor humano” (essas não são palavras minhas!!!!).

Enfim, essa pessoa disse que meu blog é vulgar e que a minha linguagem vulgar não atraía leitoras, por isso as leitoras nunca gostariam do meu blog. Eu hoje rio, rio muito dessa pobre criatura miserável, porque, apesar de ter a carreira dela (que escrevia com erros de ortografia e gramática (!!!!), que eu cansei de corrigir – JORNALISTA, heim!!!!!! Atentaram para isso????), ela não tem um pingo de noção do que atrai leitoras – certamente ela é daquelas pre preferem quantidade à qualidade. Eu digo justamente o contrário dela: textos com linguagem casual, correta (ortografia e gramática) e bem humorada, com uma pitadinha de sarcasmo e muita sinceridade, atraem sim, leitoras. E como eu sempre digo, não quero que meu blog tenha quantidade, mas qualidade de público. Só quero ter leitoras que saibam realmente valorizar essas qualidades do meu blog, que eu reconheço que existem pelo que já ouvi muitas de vocês dizerem, além da minha própria percepção, é claro.

Por falar em erros de ortografia e “tapirus terrestrices” alheias, descobri ontem um site chamado SHAME ON YOU BLOGUEIRA, em que a pessoa que posta (totalmente anônima), não perdoa uma vírgula fora do lugar ou uma foto que ela considere, bem…, ridícula. E eu concordo com a maioria das colocações dela, que parece ser uma pessoa altamente culta e perspicaz, pois presta atenção aos minimíssimos detalhes.

Esta madrugada quase acordei a vizinhança com as minhas gargalhadas, pois não aguentei ler só um post. Tive que ler TODOS, porque não dava pra parar; viciante o negócio, galera. As observações que ela faz são hilárias. Tudo bem que em determinadas situações ela pega meio pesado, mas, como ela mesma diz (digo que é ELA porque homem não tem paciência de observar minimalisticamente as coisas que ela observa), ela só olha a coisa como um todo, com extremo bom-senso, e não olha para uma característica específica, embora por algumas vezes a coisa possa soar como preconceito. Mas na essência da coisa, ela está certíssima. Não tem coisa mais broxante do que a gente ler um post sem conteúdo e cheio de erros gramaticais e ortográficos. Eu acho que quem quer ter um blog tem a OBRIGAÇÃO MORAL de, no mínimo, saber escrever corretamente e ter um certo nível cultural para poder falar articuladamente sobre determinados assuntos. E mais ainda, ter criatividade para elaborar seus próprios textos, e não copiar e ainda escrever mentiras, como é o caso deste post, que diz que eu “me viciei” nos esmaltes da Coleção Rebelde, da Impala, quando, na verdade, eu me surpreendi porque eles são mais bonitos do que me pareciam. Quem lê que “eu me viciei”, pensa logo que não tiro esses esmaltes das unhas. E não satisfeita, ainda copiou minhas fotos sem pedir autorização. Pelo menos teve o bom-senso de mencionar o nome do “meu” blog, e dizendo que é FAMOSO! huhahuahuahuauhahuahua. Propaganda enganosa (mas obrigada pela mentirinha…). E pra completar, eu, que nem sei quem me mandou os esmaltes, só sei o nome, virei “amiga” da menina, que eu nem conheço e nunca vi mais gorda! Olha, tem cada uma nesse mundo que até Deus duvida, viu!?

Voltando ao blog, eu espero demorar muito para abandoná-lo. Um dia, sem dúvida, isso vai acontecer. Mas espero que existam óculos com grau SUPER LUNAR e que eu nunca tenha mal de Parkinson, para eu continuar fazendo minhas unhas e postando coisas aqui pra vocês. Até lá vou tirar foto só das unhas, porque mão enrugada, ninguém merece! Não que isso seja preconceito contra velhinhos; de forma alguma. Se tem pessoas que eu respeito MUITO nessa vida, são as pessoas idosas, que viveram e educaram muita gente nessa vida, e que depois que envelhecem, os parentes (ingratos) largam de lado como um sapato velho. Acho essa atitude um horror! Sei que é uma coisa inevitável, a idade, mas não vou gostar nadinha de mostrar minha mãozinha enrugada pra vocês, rsrsrsrsrs. Mas vou tentar viver o máximo que puder, fazendo aquilo que gosto: trabalhando, esmaltando, blogando, viajando e curtindo minha minúscula familia (filha, mãe, 4 porquinhos e 1 ave). E espero conseguir fazer isso podendo sempre compartilhar tudo com vocês, porque vocês são minha família de amigas virtuais, e são muito importantes pra mim. Espero que vocês sejam sempre sinceras, pois se tem uma coisa que definitivamente eu não gosto, é falsidade.

E na seção BF 2, eu estava fuçando as fotos que eu tinha tirado no meu IPhone, e olhem o que eu achay! A foto de quando eu estava voltando de Santiago, em outubro deste ano. Não é linda a Cordilheira dos Andes? Pena que tinha pouca neve nessa região. Tinha partes com bastante neve. Está ou não digna de um papel de parede?Bjus Adri =)))

Esmaltes do Chile

Meninas, finalmente mostro hoje alguns dos esmaltes que trouxe do Chile. Dá uma trabalheira danada editar as fotos e colocar aqui.

Petrizzio: Summer Violet e RaspberryPetrizzio: Metallic Purple e Violet

Pamela Grant: Greener e (sem nome) numero 187

Bourjois 10 dias numero 17 (sem nome) e L’Oreal (sem nome) numero 185

Pamela Grant: Violet e (sem nome) número 230

(ta virando moda agora não ter mais nome?????)

Bourjois: Cerise Noire e Rouge Diva

Finger Paints: Art Dealer Teal-Er e Sally Hansen: Ativador de crescimento (é líquido e evapora na unha)

Konad: esmaltes de carimbo prata e dourado

O prata achei beeeeeeeeem fraquinho, apagado e sem graça. O dourado não testei ainda.

Jordana: Dustry Rose e Petrizzio: Onyx

Sally Hansen: Endurecedor de Unhas e Insta-Brite clareador de unhas

(esse clareador, sei não… é uma base e não exatamente um líquido que clareie visivelmente a unha – pra mim não passa de uma base como qualquer outra)

Essie: Watermelon e Peach Daiquiri

Miss Manicure: Bluejay e Evergreen

Arens: 815 e 269

Finger Paints: Hue Rang? e Vintage Violet

Finger Paints: Art You Blue (vocês acreditam que esses dois esmaltes são O MESMO esmalte????)

Eu vejo uma diferença visível, e certamente foi por isso que eu comprei os dois achando que eram diferentes. Por incrível que pareça, apesar de o vidro da direita estar mais claro e ter um tom ligeiramente lilás, na unha os dois ficam exatamente iguais (e lindos). Vai entender isso. Desta forma, adivinhem qual será o destino de um deles!

Bem, tem um ou outro que ainda não incluí, mas por favor não me matem. Eu posto depois pra vocês.

Beijos

Adri =)))