Peel Off Caseiro

Olá garotas!

Com as unhas trocando de cor toda hora, meu peel off Peripera está esvaziando na velocidade da luz. E começa a dar aquela agoniazinha, porque ele é um produto que basta entrar na Esmalteria da KK para em 5 minutos já estar esgotado.

Eu já vi várias pessoas que usam cola branca como peel off, e muitas pessoas reclamam que não funciona. A Day mesma foi uma que postou aqui uma vez que tentou e não gostou.

Na verdade, na primeira vez que eu vi o Peripera funcionando eu pensei logo que parecia demais cola plástica comum. A única diferença é que o Peripera é mais translúcido, mais fluido e seca bem mais rápido do que a cola. Enfim, eu resolvi fazer um experimento: fazer meu peel off caseiro.

foto (1)

Peguei um vidrinho de 5 ml e coloquei 1/3 de água. Completei com cola branca, sacudi bem para misturar e voilá! Em seguida eu usei o produto, e ficou uma porcaria. Ele não espalhou legal na unha, pois se concentrava mais em algumas partes do que em outras. A cola se juntava em alguns pontos da unha, deixando partes da unha vazia. Acho que é porque a cola não tinha diluído direito, mesmo tendo sacudido bem. Larguei pra lá.

Esta manhã resolvi dar uma nova chance ao experimento, e para minha agradabilíssima surpresa, espalhou uniformemente sobre a unha, sem se juntar em canto nenhum ou deixar buracos! Acho que essa “curtida” de um dia foi providencial.

O único problema é que levou uns 5 minutos para secar, mas pelo que vi o povo reclamando, a cola sem estar diluída demora muito mais do que 5 minutos. Obviamente a água ajudou a encurtar esse tempo, ainda mais com o calorão que anda fazendo. O Peripera seca em 1-2 minutinhos. Mas o resultado da minha receitinha foi sensacional; é o Peripera todinho! Funcionou ma-ra-vi-lho-sa-men-te bem! Perfeito demais pra ser verdade!!! E ainda achei que meu peel off tirou sands em menos “placas” do que o Peripera, que sai todo picadinho. É normal sand sair picadinho, mesmo. Já com esmaltes comuns sai geralmente a “unha” de esmalte inteira, com o peel off.

Agora já sei que terei uma fonte inesgotável de peel off, hehehehe. Agora poderei usar glitters à vontade! Viu Day?

Para quem não sabe pra quê serve isso, vou explicar. O peel off é uma base plástica que você passa na unha (sem base) e depois pinta com o esmalte que quiser. E como é uma base plástica, basta você levantar o esmalte com a unha e puxar, que levanta tudo. Geralmente o esmalte fica na unha quietinho, e só sai quando você quer tirar, ou então quando você fica muito tempo com a mão na água (lavando louça, roupa, ou na piscina), ou se esparrar a unha com força em alguma borda afiada/angular; aí descola mesmo! Fica mais fácil ou menos fácil tirar dependendo da espessura do esmalte sobre a unha. Quanto mais grossa a camada de esmalte, mais facilmente ele sairá.

peel off é a invenção do século XXI em termos esmaltísticos, pois não existe nada mais sacal do que usar esmalte com glitter e depois querer tirar com acetona. E esse problema é que me fez sempre rejeitar usar glitter. 5 minutos perdidos em cada unha é pouco. Um parto de sêxtuplos é mais fácil, e eu tenho horrorzinho à técnica de papel laminado, pois não tenho um pingo de paciência de envolver dedo a dedo com algodão/acetona e o papel laminado e ficar minutos esperando o trem descolar da unha. Peel off é infinitamente mais prático e eficiente, e ainda não resseca a cutícula com a acetona e nem a mancha com o esmalte que está saindo.

Experimento maravilhoso à parte, ainda assim, eu prefiro o Peripera, porque seca bem rápido, em comparação com a cola. Quem sabe agora passe a ter peel off Peripera disponível na Esmalteria, porque é sempre uma briga de foice quando chega.

Beijos

Adri =D

Esponja para Remover Esmaltes, Caseira

Olá meninas!

Cheguei ontem ao braseeel, e a tortura foi dirigir 200 e tantos quilômetros até em casa. No meio do caminho já estava capotando de sono, e tive que entregar o carro para Gabi trazer, porque eu estava mortinha da Silva. Cheguei até a sonhar nos 70 últimos quilometros, heheheheh.

Chegamos em casa e Margô (nossa secretária que está de licença médica) estava com a faxineira dando uma geral na casa, porque segundo a nossa amiga que cuidou dos nossos meninos, a casa estava de pernas para o ar. Imaginem, chegar mortas de cansada e ainda encontrar um chiqueiro no lugar da casa…

Sei que chegamos e nem levamos as malas pra casa; deixamos na garagem. Subi correndo pro meu quarto e tomei um banho, pois já tinha mais de 24 horas sem um banho, e caí na cama como um neném. Chegamos em casa quase às 14 horas, e acordei às 17 horas. Deu pra descansar um tiquinho. Nessas horas lamento não ser ryca, pra viajar de primeira classe, ou então lamento só ter tido uma vez a sorte de ter um overbooking na vida (quando a companhia aérea vende mais passagens de classe econômica do que deveria), quando então vim de primeira classe da Inglaterra para o braseeel, quando eu tinha 18 aninhos. É realmente OUTRA COISA!!!

A sorte é que chegamos aqui e o tempo estava mais fresco do que eu tinha ouvido falar que estava. Saímos de Orlando com 23 graus, e chegamos aqui com 25, em contraste com os 48 que disseram que fez no Rio na semana que passou. Ainda bem que eu não estava aqui, já que tenho ódio mortal de calor.

Enfim, cá estou, tentando entrar na rotina novamente, mas como é sábado, eu resolvi dar mais uma descansada e pegar no batente só amanhã. Resolvi dar um trato nas sabuguettes, que estavam em condições super miseráveis. Um leeecho só…

E em Orlando, num quiosque no Premium Outlet, vi um potinho com esponja de remover esmaltes. Só não comprei porque achei absurdamente caro: 30 dólares! Quase comprei, mas depois que a vendedora disse que usava acetona comum, achei um disparate pagar uma fortuna por algo que me custaria muito mais barato fazendo em casa. E assim foi; resolvi fazer o meu próprio pote de esponja de remoção de esmalte usando produtos comuns que compramos no supermercado.

Para isso, precisei de:

1) um vidro vazio, sem rótulo e seco (usei o vidro de molho pronto da Master Foods)

1

2) 3 esponjas redondinhas, marca Limppano

2

3) Removedor de esmalte de boa qualidade (usei Lutex, sem acetona, da marca 5Cinco – comprei na loja da 5Cinco)

Untitled-1

4) 1 faca com ponta e sem serra

Untitled-1

Como fazer:

Lavei o vidro e tirei o rótulo, deixando-o imerso na água por alguns minutos até o rótulo desprender com facilidade. Em água morna vai mais rápido.

Essa esponja redonda Limppano tem um pescocinho, que foi exatamente onde eu cortei, usando a faca, separando a parte grossa da macia.

3

Depois de fazer isso nas três esponjas, eu juntei todas, uma em cima da outra.

4

Peguei a faca e fiz um corte em cruz (TOME CUIDADO PARA NÃO SE CORTAR!!)

5

Não ficou o máximo da perfeição, mas o importante é abrir a ranhura para enfiar o dedo, sem remover qualquer pedaço de esponja.

6

Peguei as esponjas e enfiei no vidro.

7 8

Depois joguei o removedor dentro do vidro. Não coloquem demais, para não encharcar muito.  (A foto não ficou muito boa porque tinha pouca luminosidade. Relevem, please… )

10

E voilá! Está pronto meu vidro de esponja removedora de esmalte!

Fiz um videozinho safado para mostrar pra vocês como é prático isso. O esmalte só não saiu mais rápido porque o vidro estava “fugindo”, já que eu não estava segurando com a outra mão (que estava com o telefone filmando). Com a ajuda da outra mão sai muito mais rapidamente.

Adorei o resultado, e não paguei 30 dólares, hehehehe.

Bjus

Adri =D

Lixa Magic Magic Magic Magic Shine, Fing’rs

Daí você pergunta: “Enguiçou a vitrola?” (quem é do meu tempo sabe o que é uma vitrola) Pra quê tanto MAGIC????  Endoidou?

Não, não endoidei. Só queria enfatizar que essa lixa é realmente mágica.

Você certamente já deve ter visto essa lixa por aí, e nunca deu a mínima pra ela. Aliás, por nunca (talvez) ter ouvido falar nela, você nunca deve ter percebido que passou por ela milhares de vezes naquela loja de esmaltes ou farmácia que você frequenta, não é verdade? Isso aconteceu comigo! Tem milhares dela na loja que frequento, mas só consegui “enxergar as lixas na loja”, depois que aconteceu o que vou contar para vocês.

No último encontrinho em São Paulo a Nina me apareceu de unhas peladas. Não tinha um esmalte! E eu pensei, “Gente, como essa mulher vem para um encontrinho sem esmalte nas unhas????”. Ela levou consigo duas lixas polidoras da marca Fing’rs, uma rosa (igual à da foto) e uma azulzinha, mais estreita e com as pontas arredondadas.

Quando ela me entregou as lixas, ela me disse que tinha levado de presente para mim (levou pra KK também). Olhei as lixas, agradeci, mas confesso que as lixas não tinham nada que me impressionasse. A única coisa “boa” da lixa, até então, foi o fato de elas terem sido dadas de presente pela Nina, nada mais.

Daí, olhei pra Nina, agradeci e acho que perguntei para ela por que raios tinha trazido duas lixas de presente, já que lixa se acha em qualquer buraco pra vender. Ela então me mostrou as unhas brilhantes, como quem tivesse passado esmalte incolor ou até mesmo top coat, e disse que as lixas tinham feito aquilo.

Eu olhei pra cara dela, ri e perguntei se era piada. Séria, ela disse que não, e que aquele brilho escandaloso nas unhas eram resultado da “lixa”. Eu, obviamente, não acreditei, e falei, na cara dura, que ela estava mentindo pra mim. Eu acho que ela se ofendeu, uhahuauhahuhuahua, e falou com a voz já engrossando que ela não estava mentindo. Aquilo era, sem dúvida alguma, algo em que eu só acreditaria vendo com meus próprios olhos a prova. E eu insisti que aquela lixa sem graça não poderia ter feito aquilo, já abrindo a embalagem afobadamente. Depois que “despi” a lixa, senti a suavidade das suas faces, e desafiei a Nina, deixando ela mais invocada ainda. Eu disse que era IMPOSSÍVEL aquela lixa fazer unhas brilharem como se tivesse passado esmalte incolor, e quase disse a ela que a piada dela não teve graça.

Ela, já P da vida, perguntou, já meio brava, se eu queria que ela passasse acetona nas unhas pra provar que aquele brilho não era esmalte. E eu, na cara de pau disse que sim. Ela arregalou os olhos, deixou o queixo cair e me perguntou: “Você prefere que eu passe a acetona a acreditar no que eu estou falando????”. E eu, sem graça, mas sincera, disse um “sim” quase inaudível, de tão baixinho que falei. E ela saiu pisando pesado e foi buscar acetona e algodão para esfregar nas unhas (e na minha cara). Depois que ela passou o algodão com acetona nas unhas, eu continuei não acreditando, heheheh. Arranquei o algodão da mão dela, achando que ela não estava esfregando o suficiente, só pra me enganar, e quase arranquei a unha fora de tanto que esfreguei.

Vendo que por nada no mundo a titica do “esmalte” saía, por fim, me dei por vencida e me convenci de que a lixa era realmente a melhor “invenção quietinha” que eu já vi recentemente. Imediatamente eu pensei: “Como é que uma coisa espetacular dessa não é divulgada aos 4 ventos??????”. Na mesma hora pensei logo em fazer um post, um filme, sei lá; qualquer coisa, para mostrar para vocês que produto maravilhoso era aquele, tamanha a minha empolgação.

Lembro ainda que a Nina acrescentou que a lixa pode ser usada sobre os esmaltes, caso não fiquem com “aquele brilho” esperado, fazendo, com perfeição, o papel do top coat (no quesito brilho). Daí eu surtei de vez. Mas me concentrei nas minhas atividades no encontrinho e já me via fazendo o post assim que voltasse pra casa.

Trouxe as lixas pra casa, e testei. Não testei lá no encontrinho porque eu estava com as unhas pintadas. O que eu queria mesmo era ver com meus próprios olhos como se fazia.

Tirei meu esmalte e vi minhas unhas “normais”. Peguei a lixa e passei o lado rosa nas unhas. Vi que a superfície fosca já mudou com a passada desse lado da lixa. Ficou com meio brilho. Depois que passei a parte branca, que é a de acabamento, logo minhas unhas pareciam vitrificadas e super lisas. Fiquei mais uma  vez surpresa, como se nunca tivesse visto aquele resultado antes.

Depois disso, só me lembro de ter pedido para a Nina fazer um vídeo, já que ela é a rainha dos vídeos. Mas como ela já tinha usado a lixa, seria preciso as unhas crescerem para o brilho ir embora, ou então passar a lixa grossa para fosquear novamente, mas aí é fogo, né? Ninguém quer reduzir a espessura da unha em prol de uma demonstração. Então, esperando as unhas dela ou as minhas crescerem, as lixas ficaram encostadinhas num buraco qualquer e caíram no esquecimento.

Hoje, estava procurando uma coisa, e revirando a cestinha de bagulhos que fica em cima da minha mesa, dei de cara com a lixa. E numa questão de segundos, revivi em pensamento tudo o que comecei a narrar desde o começo deste post. E pensei que agora seria um bom momento de mostrar os atributos da tal “lixa”, já que o brilho do meu teste já tinha ido embora havia séculos. Quando fui pegar algo na mesa, meu relógio, que estava em cima dela, caiu. E quando peguei o relógio, eu fui olhar para ver se tinha ganhado outro arranhão, e vi que só o tradicional arranhão estava lá, para meu alívio. Foi então que uma lampadinha acendeu sobre minha cabeça, e pensei: “Se a lixa é de polir e dar brilho, por que não tentar tirar o arranhão do “vidro” do relógio (que na verdade é de plástico, acrílico, sei lá). Peguei a lixa, e sem ter medo, esfreguei freneticamente a parte branca (a de acabamento) em cima do “vidro”, e vi que nada acontecia. Mas não desisti. Usei, desta vez a parte rosa, meio receosa de fazer caca. Como vi que não arranhou, continuei mais confiante. Me senti como um escoteiro tentando acender uma fogueira com gravetos. Cheguei até a suar, de tanto vai e vem, mas aos poucos fui vendo que ESTAVA DANDO CERTO!!!!!!

Passei uns 10 minutos esfregando o “vidro”, e no fim usei a parte branca, por desencargo de consciência. Eu fiquei tão cacada com o resultado, que imediatamente resolvi postar o fato aqui para vocês. É claro que eu fotei antes da “manobra” toda, porque se desse certo, eu não teria como mostrar a vocês se conseguisse, caso não tivesse fotado (e se desse errado e arranhasse tudo de vez, pelo menos eu teria uma foto de como meu relógio estava bonitinho só com aquele arranhão, uhauhauhauhuhaahu) E, orgulhosamente, mostro aqui para vocês o resultado da minha descoberta (a foto está pequena, mas é só clicar para ampliar e ver melhor).

Do lado esquerdo, vocês conseguem ver claramente o arranhão que está dentro do retângulo vermelho. Tentei colocar o relógio no mesmo ângulo para mostrar o resultado final. Ainda sobrou um fantasminha do arranhão, que certamente teria saído se eu ficasse esfregando mais. Mas sinceramente, cansei de tanta esfregação, e até então o resultado já tinha mais que me agradado. O “vidro” estava NOVO em vista do que estava antes.

E eu, que tinha terminado de pintar as unhas havia uns 15 minutos, reparei que algumas bolinhas estavam ensaiando para “pocarem”. Com medinho, mas tomando coragem, resolvi esfregar a tal lixa no esmalte para ver se ela conseguiria abaixar as bolinhas, já que a lixa é feita para polir, e precisamos fazer uma certa pressão sobre o esmalte para tanto. Se fazemos pressão, então pensei que ela poderia ajudar a abaixar as bolinhas. Não sei se foi coincidência, mas as bolinhas não só abaixaram, como o esmalte ficou super brilhante.

Logo depois disso, a Nina entrou no MSN, e eu não tive outra coisa a fazer senão colocar isso para ela:

Queria ter posto esse “OHHHH MYYYYY GOOOOOOOOD!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!”, mas era “grande demais” para o MSN:

Ela, obviamente, colocou uns 50 Cacos no MSN depois que contei e mostrei para ela a foto do relógio; e, tendo ouvido sobre o feito, a mãe dela sugeriu usar a lixa em um óculos. Peguei meu cascudinho de bater, que já está meio sambadinho, e não tive pena. Meti a lixa rapidamente. Vi que começou a dar certo, mas não tive braço e nem saco para terminar o serviço num óculos de sol de “6 dólar”. Fiquei super satisfeita por saber que se algum dia precisar usar no meu Pradinha, (que quase não uso por medo justamente de arranhar),  poderei fazer sem medo de ser feliz, ebaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!

Daí eu pensei: poxa, eu não fiz o vídeo que eu tanto queria. E na preguicinha, resolvi fotar mesmo. Fiz o registro do brilho nas ex-cotoquettes (graças ao Vita Surge) com três fotos: 1) antes de usar a lixa, 2) usando o lado de preparação (rosa) e 3) usando o lado branco (acabamento). E o resultado mostro para vocês abaixo:

E então, o que acharam? Dá ou não dá pra duvidar que esse brilho todo “saia de uma lixa”???

Mesmo que não deixasse esse brilho lindo nas unhas, eu compraria umas 3 dúzias só para salvar meus reloginhos e óculos ou qualquer outra coisa que arranhe. Podem ter certeza que terei sempre algumas lixas novas dessas no meu estoquinho, para o caso de encontrar arranhões indevidos por aí.

Assim como a descoberta do quebra-nozes x garrafas pet, espero que essa descoberta tenha deixado vocês como no “Oh my God!” acima, hehehehe. Eu fiquei assim, ao cubo!

Só é preciso deixar aqui uma coisa clara: Eu tenho certeza que a lixa não servirá para arranhões profundos, somente superficiais. Portanto, não me chamem de mentirosa se seu relógio estiver com uma “vala”, hehehehehe, e a lixa não ter resolvido nada.

Bjus e bom feriado!

Adri =)))

Cobertura “Emborrachante” Caseira

Bonjour mes amies!

Eu nunca gostei de esmalte fosco. Acho horrível. Mas a primeira vez que bati o olho em uma unha “emborrachada” fiquei louca de paixão. A sensação que eu tenho é que se colocar o dedo em cima é “fofinho”. É óbvio que não é, pois é só um esmalte, mas que tem essa cobertura que tem o acabamento imitando emborrachado.

Vejam a diferença no brilho – no alto, o esmalte com a base “emborrachante”, e abaixo o mesmo esmalte, sem cobertura alguma. Não parece “fofinho” o esmalte no alto?

Não sei por que a “moda” dos flocados ficou e a dos “emborrachados” não. Fato é que há pouquíssimos esmaltes com efeito emborrachado no mercado. Eu tenho a coleção completa PLASTIX da Orly, que tem cores bem legais.

Há também uns “emborrachados” de uma coleção relativamente recente, da Illamasqua, a Theatre of the Nameless, composta também por quatro cores interessantes, para emborrachados.

Mas os esmaltes da Illamasqua são meio difíceis de encontrar, e têm preços meio proibitivos. São 13 libras e 50 centavos.

A 5Cinco também tem uma linha emborrachada, composta de 9 cores, que eu sempre fiquei tentada a comprar, só não comprei porque achei as cores “meio mais ou menos” interessantes (gostaram da redundância?).

Quem quiser ver reloginhos desses emborrachados, vá ao direto ao post de 20/11/2010 no site Nosso Vício clicando aqui. O post tem fotos detalhadas de todas as cores; vale conferir! É uma pena que o blog “fechou as portas”. Mas um dia eu também vou ter que fechar, né? Todas acabamos tendo outras prioridades na vida, um dia.

E, contradizendo o que eu falei por aí, não lembro onde (oi, Dory!), a 5Cinco NÃO PAROU DE VENDER os emborrachados deles. A tapada aqui não procurou no lugar certo, e a gente pode ver os emborrachados deles pra vender aqui. Tem só que catar a palavra EMBORRACHADO no nome da cor (são as cores acima). Cada um custa R$ 2,50.

Voltando ao tópico, eu não comprei os emborrachados da 5Cinco porque o efeito emborrachado dele não “frechou” meu coração, pelas fotos que andei vendo por aí. Ainda acho meio fosco demais para o que eu gosto. Então ficou só faltando oportunidade. Eu realmente teria que experimentar para saber como é o resultado.

Dias desses eu comentei com a KK sobre como o efeito emborrachado não faz a mulherada surtar como eu, e sobre como as empresas nacionais poderiam já ter inovado e criado um top coat “emborrachante”, já que existe praticamente todo tipo de cobertura (flocada, com microbrilhos, fosca, etc.), menos um “emborrachante”. Por que a discriminação, e não fabricaram ainda um top coat “emborrachante”? Cheguei até a comentar com a Renata, da Up Colors, mas acho que não deu em nada, infelizmente.

Ouvindo isso, a KK comentou comigo que a Essence está fabricando um top coat assim, agora. Inclusive, acho que a KK comprou, mas não chegou ainda. Pedi para ela me mandar um para eu experimentar, assim que chegar, para eu ver se é como eu gosto: um fosco mais brilhante do que a cobertura mate.

Há uma diferença entre cobertura fosca e mate. Abaixo, vocês poderão ver dois esmaltes de cobertura mate (Panvel) e fosca (Impala), respectivamente.

Agora vejam o acabamento de um e do outro:

Vejam como a cobertura mate tem um quê de brilhinho. Mas ainda não era o que eu queria, pois para mim, ainda é fosco.

Enquanto a tal cobertura da Essence não chega para eu testar, eu pensei com meus botões e tive uma ideia: tentar criar uma cobertura emborrachante.

Peguei os seguintes “ingredientes”:

Um vidrinho de 5 ml para misturinhas (excelente, por sinal – o pincel é uma delícia!!!!), Seche Vite (ou Invincible), esferinha de aço italiana, esses três podem ser comprados no Brechó da KK, e por último o principal, Cobertura mate da Panvel.

O que eu fiz, foi simplesmente encher 3/4 do vidrinho com Seche Vite.

Depois, completei o restante com a cobertura mate da Panvel, coloquei a esferinha para misturar, e voilá!

É claro que não foi tão simples e rápido assim. Precisei fazer muitas misturas e testes até chegar à proporção correta de Seche Vite e cobertura mate.

Abaixo, todas as unhas cobertas com o TC “emborrachante”.

Foram várias tentativas e erros até chegar ao emborrachado do meu gosto. A grande vantagem dessa cobertura é que, como ela é feita com Seche Vite, que seca super rápido, ela também seca super rápido. Eu amei isso!

Agora, vejam a comparação entre a cobertura fosca da Impala (esquerda), a minha misturinha (meio) e o esmalte normal (direita), sem cobertura:

Agora, atenção ao usar outras coberturas que não a da Panvel. Como vocês viram lá em cima, na comparação do Panvel e Impala, a cobertura mate da Panvel já é meio brilhante, bem diferente do acabamento da cobertura da Impala, que é super fosco. Portanto, certamente será necessário aumentar a quantidade de Seche Vite e diminuir a de cobertura fosca (da Impala, no caso), para que se consiga atingir o efeito mostrado na foto acima.

Agora, poderei emborrachar qualquer cor que eu quiser. Não preciso mais ficar limitada às escassas cores de emborrachados à venda no mercado nacional e internacional. E o melhor de tudo mesmo é poder carimbar e colocar uma cobertura de proteção no carimbo sem tornar o esmalte de fundo brilhante ou fosco, já que sempre é necessário passar um top coat para o carimbo não sair. Quer vantagem mais sensacional que essa?????

Se a base emborrachante da Essence for tão boa quanto a minha, certamente talvez seja mais interessante usá-la, porque já vem pronta. Mas eu ainda não sei se ela tem esse acabamento mais brilhante que a cobertura mate, então, vou aguardar para ver.

E quanto a outros top coats que não o Seche Vite ou Invincible, esses dois idênticos, eu realmente não sei como seria o resultado. Testem vocês e depois me contem.

Bem, garotas, espero que tenham ficado satisfeitas com o meu “segredinho”. Grandes beijos!

Adri =)))

Nail Rescue – Orly

Olá garotas!

Recentemente mencionei aqui que eu quebrei a minha unha, e que a KK me dissuadiu da ideia de ter um rompante de raiva e terminar de quebrar tudo, porque ela teria a solução: o Nail Rescue da Orly.

Quem passa semanas “cultivando” as unhas para que fiquem bonitas, e se depara com o dissabor de ter uma única unha quebrada, certamente entra em pânico de pensar que terá que cotocar todas as unhas por causa de uma só que quebrou. Então, seus problemas acabaram!!!!

Diante do surpreendente resultado do produto, eu resolvi fazer aqui um passo a passo do reparo, para vocês verem como fica.

Acima, está a unha quebrada, no sabugo

Acima e abaixo, com o pincel NÃO saturado de cola, passe uma camada sobre a unha, do alto até a ponta da unha, tomando cuidado para não deixar entrar sob a cutícula, senão o trabalho será maior. Não precisa necessariamente ser bem do alto. É que quanto mais alto se passar a cola, melhor fica o acabamento, pois não fica ressalto.

Acima e abaixo, imediatamente após passar a cola, mergulhe o dedo no pó reparador, de forma que todo o pó cubra a extensão de unha coberta pela cola.

Se achar que é necessária uma segunda camada, vá em frente, lembrando que será preciso trabalhar mais para remover o “degrau” que se formará na unha. Remova o excesso de pó e aplique nova camada.

Acima, os “degraus” que a cola e o pó fazem, e que precisamos eliminar, para dar um acabamento “natural” ao reparo. Se ficar ressalto, fica feio!

Acima, duas das lixas que usaremos. A mais grossa (na parte de baixo da foto) e a lixa bloco, mais fina (na parte de cima da foto)

Acima, use a lixa grossa, se concentrando somente nos “degraus”. Não lixe a parte do remendo onde a unha está quebrada. A ideia aqui é deixar o reparo no mesmo nível da unha, de forma natural.

Acima, como ficou a unha após a remoção do degrau (clique nas fotos para ampliar). Removemos o degrau, mas o remendo está grosso e poroso. Vamos cuidar disso…

Acima, usando a lixa bloco, de granulosidade mais fina, dê uma breve lixada para tirar um pouco da aspereza excessiva do remendo. Cuidado para não lixar demais. Passe mais onde termina a unha e começa a cola, para que se tenha certeza de que não ficará degrau algum. Cuidado para não lixar a unha que não tem remendo, senão você vai afinar a unha.

Acima, vejam como a lixa bloco alisou mais o remendo. Vocês poderão ver, mais na ponta da unha, que ainda ficaram uns buraquinhos, que precisam ser acertados

Acima, agora vamos usar essa outra lixa que é suuuuper fina. É preciso dar uma alisada maior no remendo, para ele ficar lisinho e não marcar depois que passar o esmalte.

Acima, passe a lixa fina por toda a superfície do remendo. Lixe o mínimo possível. O objetivo é deixar o remendo mais liso.

Acima, a unha pronta para esmaltar. Onde está o quebrado????

A unha pintada. Somente uma camada de esmalte. Depois que tiver a segunda camada e o top coat, ninguém jamais dirá que sua unha foi remendada!

Voilá!

Agora, atenção meninas! Essa é uma medida que disfarça a rachadura da unha na superfície, portanto, a unha continua quebrada por baixo do remendo. Não vão fazer tudo o que quiserem com a unha senão ela vai quebrar de novo, e o remendo vai pro brejo. Redobrem a atenção, e não façam “arte” com a unha remendada. Refazer o remendo dá mais trabalho do que fazer a primeira vez, porque tem que tirar toda a cola lixando, e se não tiver cuidado, você acaba lixando a unha também.

Bjs Adri =)))

Como Conservar sua Placa de Carimbo Drikk

Olá garotas!

Hoje trago para vocês uma informação de utilidade pública para as esmaltólatras carimbadoras de plantão; aquelas que têm verdadeira paixão por esmaltes e não dispensam o uso do carimbo para dar um UP nas suas unhas.

Pois bem; quando você recebe sua placa, ela vem com uma película plástica em sua superfície, que tem como única função proteger sua placa nova de arranhões.

Atrás da placa, há um adesivo plastificado branco, que não tem somente a função de fazer propaganda do fabricante Drikk. Ela é importantíssima para ajudar que a borda da chapa de aço não corte seu dedo, sendo que, se houver um manuseio descuidado, ainda é possível que isso aconteça. Portanto, é fundamental que esse adesivo seja protegido, e que se tenha o cuidado de não manusear a placa displicentemente.

Para evitar qualquer possível risco de corte das mãos com a placa (não é comum ocorrer, mas PODE ocorrer, como já mencionei acima, não só com a nossa placa, mas com QUALQUER placa grande de carimbo), e também para proteger o adesivo de trás da placa, para que ele não molhe (durante as manutenções periódicas) ou saia, recomendamos que você passe uma fita adesiva nas bordas da placa.

Todas que já compraram o carimbo, normalmente receberam junto um raspador de metal, similar ao que está abaixo:

Da primeira vez que usei esse raspador com uma plaquinha Konad, percebi que ele arranha a placa toda, deixando-a com um aspecto horrível. O uso contínuo desse raspador certamente dará um ar de desleixo à sua placa. Para atenuar esse problema, já que eu não queria minha placa com ar de lambona, eu optei por usar um pedaço de cartão de crédito velho, que cortei em 4 pedaços, fazendo assim 4 raspadores para mim, que podem ser usados somente de dois lados: os dois lados que não foram cortados pela tesoura. No caso do “raspador” abaixo, os únicos lados que podem ser usados são o da direita e o de cima, que não foram cortados pela tesoura; lados retos originais do cartão.

Vejam abaixo, a diferença entre uma placa usada com raspador de cartão de crédito (esquerda) e uma usada com raspador metálico (direita). Vocês observarão na placa da esquerda que há somente tênues arranhões. Já o da direita está um “nojinho” total.

Independentemente do uso do raspador, se a sua placa for guardada “a Bangu”, ela ainda pode ser arranhada por outros itens, principalmente se for guardada perto de lixas de unha, o que não é nada difícil, já que quem lida com a placa, lida com lixas também. Portanto, ao terminar de usar a sua placa, limpe como de costume e guarde dentro de um saquinho (pode ser o que vem com a placa quando ela é nova), ou, alternativamente, você pode envolvê-la com um plástico de PVC, daqueles que usamos na cozinha. Se não quiser fazer isso, guarde em qualquer lugar que você tenha certeza que a protegerá.

De tempos em tempos eu faço uma manutenção periódica na minha placa. Por mais que eu passe e repasse o algodão com acetona sobre a placa durante seu uso para limpar, eu observo que ela ainda parece manchada e suja. Então, depois de alguns usos eu passo nela um pedaço generoso de algodão embebido em acetona, usando os dois lados do algodão. Passo bem de um lado, e depois faço “o acabamento” com o lado de cima do algodão, que normalmente ainda está molhado com acetona. O algodão sempre sai colorido do resíduo de esmalte, provando que a limpeza que fazemos durante as carimbadas não são suficientemente boas. Durante essa manutenção periódica, depois que limpo com algodão e acetona, eu levo a placa à pia, jogo um pouco de detergente e passo o lado macio de uma esponja nela (não descuide e use o lado verde ou áspero da esponja, senão vai arranhá-la toda). Não use a esponja da pia da cozinha, porque geralmente está meio engordurada das lavagens de louça. ATENÇÃO! Para fazer essa lavagem, certifique-se de ter protegido as bordas da placa com a fita adesiva, senão a água molhará o adesivo do verso, e com o tempo ele vai acabar saindo. Depois que lavo, seco com papel higiênico, que é macio e absorve bem a água, ajudando ainda a devolver o brilho da placa.

Mesmo limpando durante o uso, a placa fica manchada

É claro que com muitas manutenções periódicas, a fita adesiva vai ficar meio “sambada”. Quando acontecer isso, remova a fita adesiva, sempre começando pela parte de trás da placa, puxando a fita em direção à borda da placa, e não o contrário, para evitar que a fita adesiva arranque o adesivo protetor da placa. Depois de remover a fita, coloque outra, e troque sempre que achar necessário.

Evite usar outros agentes de limpeza na placa, para evitar que ocorram manchas. Embora a placa seja de aço inoxidável, alguns podutos podem manchar o aço.

Vou dar agora uma dica super legal para quem quer ter menos trabalho de limpar a placa durante seu uso (#preguicinhamodeon e #economicamodeon), impedindo que o esmalte raspado penetre nos outros desenhos, e também para economizar esmaltinho, acetona e algodão, na hora de carimbar.

Comece pegando um pedaço de fita adesiva larga e dobre uma das pontas, para ela não grudar na placa e ficar fácil de tirar depois (observem a ponta dobrada do lado esquerdo, na foto). Passe o dedo pressionando bem na placa o lado da fita próximo ao desenho que usará, para que a fita grude bem (na foto, é a parte de baixo).

Depois, passe o esmalte em somente um lado do desenho (do lado oposto ao lado em que a fita está). Depois, com o raspador, raspe o esmalte em direção à fita. Limpe normalmente com algodão e acetona a cada aplicação.

Depois que terminar de carimbar todas as unhas, puxe a ponta da fita que você dobrou, para removê-la. Você verá (por motivos óbvios) que o desenho em baixo da fita não ficou sujo de esmalte, e fazendo dessa forma, esmaltando somente um pedacinho do desenho e empurrando o excesso de esmalte sobre a porção restante do desenho, você estará economizando MUITO esmalte, além do algodão e acetona. É super prático o uso da fita adesiva, e a gente não faz uma lambança danada.

Bem, garotas, espero que tenham gostado das dicas, e que elas ajudem vocês a terem suas placas Drikk novas por mais tempo, e também a economizarem. Lembrem-se que vocês ainda terão MUITAS placas Drikk pra cuidar, hehehe.

Beijocas em todas.

Adri =)))

Base Foundation II – Nail Tek

Oi gurias!

O post de hoje é sobre essa base maravilhosa que chegou aqui em casa de modo inesperado, por assim dizer, e foi uma grata surpresa. A base bapho de hoje é a Foundation II, da Nail Tek.

Olhem ela aqui:

Essa base é fortalecedora e preenche os sulcos das unhas, disfarçando os defeitos e irregularidades da sua superfície. Enquanto está secando é possível notar umas “fibras” nas unhas, o que as deixam mais resistentes à quebras. Depois que a base está completamente seca (o que acontece super rápido) ela fica totalmente fosca e não fica de todo lisa. Fica uma leve aspereza, mas nada que incomode. Achei que as unhas ficam com cara de limpas e saudáveis, bem naturais.

Outra coisa interessante dessa base é que ela ajuda, e muito, na esmaltação com esmaltes aguados ou chatinhos de passar. Ela funciona como a Aqua Base da Nfu-Oh. Para os esmaltes holográficos da China Glaze, se faz necessário o uso de duas camadas da Foundation II. É uma alternativa pra quem não pretende investir na Aqua Base. Olhem só a comparação que eu fiz:

Clica que aumenta!

Na primeira camada do IDK eu notei uma diferença na holografia do indicador com o médio, mas na segunda camada tudo me parece a mesma coisa. Ou seja, a FII disfarça defeitos, fortalece as unhas, ajuda na esmaltação e não interfere na holografia! \o/ Também fiz um vídeo mostrando essa comparação.

Eu desconfio que a Aqua Base da Nfu-Oh tenha enfraquecido as minhas unhas, pois depois que comecei a usar ela direto as minhas unhas começaram a lascar loucamente. Mas isso é uma suposição, já que ainda não consegui chegar a uma conclusão. Eu continuo indicando a Aqua Base, pois é muito boa com esmaltes holográficos e também com os aguados. Entretanto, dadas as vantagens a seguir, eu indicarei a Nail Tek Foundation II, por ser um excelente investimento.

- preenche sulcos e disfarça as imperfeições;

- fortalece as unhas;

- seca super rápido;

- facilita a esmaltação;

- tem um cu$to muito mais vantajoso em comparação ao da Aqua Base. A KK vai vender por um valor entre R$ 15,00 e R$ 19,00 por 15ml da FII. Os 17ml da Aqua Base custam R$ 42,00. Me parece beeem interessante adquirir a Foundation II. ;)

- também serve como top coat de acabamento fosco.

Para demonstrar algumas dessas vantagens eu fiz um vídeo pra vocês. Por favor, perdoem as cutículas sofríveis.
Quem quiser assistir em HD, os dois vídeos estão disponíveis direto no YouTube.

Abaixo a fotinho dos produtos que usei no segundo vídeo:

Em breve essa maravilha poderá ser adquirida no Brechó da KK.

Pra hoje era isso gurias.

Besos,
Nina

Suas mãos e unhas estão realmente limpas?

Olá esmaltaradas!

O post de hoje foi feito por moi, Gabs, e aprimorado pela nossa querida Nina. Já que minha mãe está atolada de trabalho, sobrou pra nós (eu e a Nina) mantermos isso aqui funcionando. (aff! Adri)
Nossas mãos, e principalmente nossas unhas, podem dizer às pessoas um pouco sobre nós. Mesmo quem não gosta de cores extravagantes e prefere um look natural, deve manter suas unhas “em forma” e bem cuidadas. Com as inúmeras cores e texturas de esmaltes, não é difícil prestar atenção somente na esmaltação e deixar outros cuidados de lado, como por exemplo, a limpeza debaixo das unhas.
Quem nunca mexeu em algum produto, terra, ou até mesmo na hora de cozinhar, e ficou com substâncias agarradas por baixo das unhas? E a sensação de desespero para tirar e se livrar daquele incômodo? Bem, sempre existem aquelas que não ligam de ficar com mão de pedreiro, mas cá pra nós: somos esmaltaradas, temos que cuidar com muito carinho das nossas mãos (não esquecendo dos pés, claro)!
Mas você já se perguntou quais bactérias se escondem sob suas unhas? As unhas ficam sujas mesmo quando você lava as mãos, pois fazer isso só elimina algumas bactérias, mas o espaço entre as unhas e a pele também precisa de limpeza apropriada. Eliminar as bactérias que ficam debaixo das unhas é uma forma de evitar que você transfira bactérias nocivas pra sua boca ou outras partes do seu corpo.
Para ter uma boa condição de limpeza, você deve deixar alguns maus hábitos pra trás, como roer as unhas, manusear produtos químicos sem luvas, manter as mãos constantemente em contato com a água (que faz a unha ficar mole e quebradiça), digitar com a ponta dos dedos, e não com a ponta das unhas e não pressionar as unhas (seja pra pegar algo ou se coçar). Além desses, existe o pior de todos e que ajuda as unhas a quebrarem mais rápido (e que parece inevitável): usar as unhas como “ferramenta”, como na hora de arrancar uma etiqueta, de descascar coisas, puxar coisas…
Bem, aqui vai uma dica de como manter suas unhas limpinhas por baixo, e longe de bactérias:
• Encha um potinho com água morna. Adicione 2 colheres de chá de detergente líquido (ou sabonete líquido, se preferir) ao pote.
• Ponha a ponta dos dedos no potinho por uns 5 minutos, deixando as pontas e unhas de molho. A água com detergente fará com que a sujeira em baixo das unhas se solte.
• Tire seus dedos da água e seque-os com uma toalha ou pano macio.
• Passe uma espátula em baixo das unhas, pra tirar a sujeira. Cuidado nesse processo! Não vá descolar a unha, ou o próximo passo será uma tortura, hehe.
• Molhe um lado de um cotonete no álcool e passe em baixo das unhas, sempre usando um lado só do cotonete para cada unha (então, você precisará de 5 cotonetes). Você pode utilizar também a água oxigenada 10 volumes, se preferir.
• Lave suas mãos com sabonete e água morna, secando com uma toalha macia e seca.
• Passe uma pequena quantidade de gel antisséptico/higienizante (o famoso álcool em gel 70%) nas mãos. Isso manterá suas mãos macias e limpas. Existem no mercado diversas marcas desse produto (as mais conhecidas são Protex, Dettol e Lifebuoy), que pode inclusive ser levado na bolsa. É excelente para quando não temos como lavar as mãos na rua.

Gurias (oi, é a Nina. Não me contive e resolvi dar uns pitacos no post da Gabs), eu não sei o que vocês pensam sobre isso, mas eu tenho um certo nojinho de compartilhar sabonete na pia do banheiro. Acho o sabonete líquido muito mais higiênico, sem mencionar que ele não fica se desmanchando na pia. E também não é uma opção tão cara assim, dadas as vantagens. Há produtos muito bons por preços honestos. Eu prefiro os bactericidas, das marcas que eu inseri ali em cima como sugestão. Pras mais neuróticas, a marca Dettol tem um sistema de dispensação automática do sabonete líquido bactericida. Achei a ideia interessantíssima. Melhor que isso, só se a torneira for daquelas que não precisamos encostar as mãos pra abrir (sim, eu sou muito nojenta com isso. Lá eu vou saber onde passou/passaram a mão de quem esteve no banheiro antes?! Depois que já passei o sabonete me dá nervoso na hora de fechar a torneira).
Ainda não tenho essa torneira mara, mas também não há necessidade, somos só a mamis e eu. Masssss, o tal do aparelho da Dettol nós temos e eu acho uma maravilha.
Olhem só o dito cujo:

O kit vem com o aparelho, um refil e as 4 pilhas AA necessárias. Como sou precavida, já tenho mais um refil na reserva (o que foi a sorte pra essa foto).

E o detalhe do refil:

Tem esse vídeo no youtube (está em inglês, mas dá pra entender bem só pelas cenas auahuah). O do vídeo é da marca Lysol, mas é rigorosamente a mesmíssima coisa do Dettol.

Achei-o pra comprar online apenas nesse link (se vocês quiserem os outros perfumes pesquisem por “dettol no-touch” no site). O meu foi comprado no Carrefour, mas já vi na rede Walmart também.
Outra dica interessante é ter uma escovinha de unhas. É mais prática para usar diariamente. Tem foto dela nesse post aqui.
Como neurose pouca é bobagem, também tenho na pia do banheiro um dispensador comum de sabonete líquido. Recarrego ele com variados tipos de sabonete líquido, mas dos bactericidas meus preferidos são o Lifebuoy Total (o de tampa vermelha, mas cujo líquido é rosa) e o Protex de Erva Doce, que considero os mais cheirosos. O Dettol líquido Fresh tem um cheiro estranhíssimo de produto de limpeza, mas o mesmo perfume no sabonete em barra é muito gostoso. Vai entender!

É isso gurias. Não podemos pensar apenas em embelezar as unhas. É necessário cuidar da saúde também. Não se esqueçam disso, por favor. ;)

Agora, os meus pitacos (Adri), pois não resisti a me intrometer no trabalho alheio…

Eu acho que esse processo é importantíssimo, inclusive para quem tem unhas grandes. Não é porque a unha está aparentemente limpa que esteja 100% limpa. As aparências podem enganar, sim, e é essencial que quem tem unhas grandes cuide com mais ênfase da higiene “sub-unhal”. Em unhas de comprimento médio, nem preciso falar, não é?

Sei que é algo nojentinho de falar, me perdoem por isso, mas isso é natural e todo mundo faz, TIRAR MELECA, CATOTA, ou seja lá como se fala na sua região. Tô com a Nina e não abro. Dá nojinho sim, pensar no que pode ficar “encalhado” sob suas unhas. Temos que ser bem higiênicas, pois a gente põe as mãos nos mais diversos tipos de coisas durante o tempo em que ficamos acordadas. Sejam sempre higiênicas, mas não precisam ter OCD* igual à Nina não, tá? rsrsrsrsrs

Eu surtay quando vi esse dispenser de sabonete, très chic. Gentem, achay que custasse uma pequena fortuna, mas até que o preço é bem amigo. Vou tratar de comprar o meu, porque tb quero ser chic assim como a Nina.

Gente, por falar em sabonete líquido, comprei outro dia um na loja da Mahogany MA-RA-VI-LHO-SO; WILD CAT! É lançamento, mas não entendi por que não dá pra comprar no site da Mahogany. A gente clica em COMPRAR, mas nada acontece… Gentem, o cheiro desse sabonete é suuuuuuuuuuuuper gostoso. O nome (Wild Cat) e o frasco têm tudo a ver com o perfume! Quando entrarem numa loja Mahogany, deem uma bisbilhotada nele e me digam o que acharam!

* OCD é OBSESSIVE-COMPULSIVE DISORDER, que quer dizer TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO, huauhahuauhhauhua

Beijos,
Gabi, Nina e Adri

Pimenta – Ana Hickmann, e Excellence -Eliana Super Pérola

Holla chicas!

Preparadas pra mani natalina? Lembram que eu disse que ia mostrar uma combinação com o Excellence? Então, na verdade a cor pode ser qualquer uma, desde que o esmalte seja do tipo transparente. Eu escolhi o vermelho por transmitir mais a ideia de Natal, mas fica a dica pra testar com outras cores. Já usei essa técnica com o Azul Hortência da Risqué e ficou lindo também. O negócio é experimentar mesmo. Outra dica importante: o esmalte prata tem que ser desses cromados, bem escandalosos, para o efeito ficar mais legal. Esmaltes pratas “comuns” não ficam tão bonitos, porque não brilham tanto e não passam a mesma ideia de “profundidade” que o cromado dá ao esmalte que passamos por cima.

Vocês sabem que vermelho não é minha cor favorita, mas essa combinação mexeu comigo hehe, pois fica realmente diferente. Parece uma bolinha de natal. Taí uma boa definição… pensem no brilho lindo das bolinhas de natal. Pensaram? Agora imaginem exatamente isso nas unhas de vocês. Pronto, é assim que fica. As fotos não mostram toda a profundidade da cor, mas se vocês conseguiram mentalizar a bolinha de natal vão ter a noção exata do resultado final dessa mani nas unhas.

Eu suspeito que a Day vai ter um chilique com esse post…

As fotos acima foram feitas na luz natural, sem flash. Nessa abaixo eu usei o flash pra vocês terem uma ideia de como ele fica no sol. Essa “mancha” alaranjada não corresponde à realidade. É que o brilho é tanto que a minha câmera ficou louca e não soube o que captar. O esmalte é vermelho e apenas vermelho.

E o vidrinho desse esmalte, que não é novo e que, apesar de transparente, fecha com duas camadas quando usado puro. É do início do meu vício. Pras amantes da cor, recomendo.

(Puxa Nina, que sorte você deu, seu AH não foi roubado no excesso de vidro! Adri)

Besitos,
Nina

UPDATE COM VÍDEO > Como fugir do alicate e manter cutículas SEXYS

Gurias, atendendo a um pedido, eu fiz um vídeo mostrando como eu faço o processo todo relatado no post abaixo. Aumentem o volume e assistam o vídeo, que está lá no final do post. ;) Divirtam-se com o sotaque gaudério! Recordar é Viver!!!
Nina

Olá menininhas!
Hoje o espaço aqui é da Nina, mais uma vez. Essa bichinha arretada fica mandando pra mim fotos das unhas nojentesimamente DYVAS que ela tem, e fica me matando de invejinha incolor. Hoje ela mostrou uma foto que chegou ao meu limite máximo de tolerância. Me irritei e intimei-a-a a contar o segredo das cutículas de celebridade que ela tem e fazer um post para nós (me incluo nessa) para saber como ela consegue ter essas cutículas dyvésimas de matar uma de raiva. Isso pra não falar das unhas! Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh

Nina, minha filha, trata de pôr umas figas e dentes de alho penduradinhos nas pontas dos dedinhos, tá? Siga o conselho da sua miguinha…

“COMO EU CUIDO DAS MINHAS CUTÍCULAS by Nina

Basicamente os produtos que tenho são:
* Bepantol pomada (não recomendo comprar as genéricas. Testei e achei uma titica. É o famoso “barato que sai caro”);
* Creme para cutículas, da linha Pink da Granado; (compre esse produto clicando aqui)
* Amolecedor de cutículas com Manteiga de Karité, da Ideal;
* Instant Cuticle Remover, da Sally Hansen;
* Creme Para Mãos Panvel Vert Castanha do Brasil, da Panvel; (compre esse produto clicando aqui)
* Polpa Hidratante para as Mãos EKOS Castanha, Natura;
* Hidratante Terrapeutics Castanha do Brasil, da Granado (compre esse produto clicando aqui)
* Espátulas de inox, não tão divas como a tua (minha, Adriana) da Sephora, mas do mesmo estilo hehe;
* Pinça de sobrancelha, com a ponta bem fininha;
* Escovinha dessas pras unhas mesmo.

Kit sexy cuticles completo

Kit Sexy Cuticles Básico

O segredo de não tirar as cutículas é hidratação. Eu sempre passo Bepantol nelas antes de dormir ou, quando a preguiça domina, um creminho hidratante qualquer desses da listinha, que possuem uma hidratação mais forte. Pro dia-a-dia uso qualquer creminho não melequento. Os Victoria Secret’s são ótimos, assim como o Vasenol Mãos e Unhas. Ah, tem um produto da Panvel que eu ainda não comprei, mas que testei na farmácia e é um “esssspetáculo”, que é o Serum Hidratante Panvel Chic Chá Branco. Ele cria uma película na mão que deixa ela muuuito hidratada e não fica grudenta. Achei mara!
No primeiro mês, em especial, a tentação de pegar o alicate é enorme. Resista a ela. Depois do banho então, é um suplício, pois as pelinhas estão todas ali berrando pra ti, mas tens que resistir ao “canto da sereia”. Finge que não vê, é o melhor, porque realmente dá um pânico.
No início eu usava a escovinha no banho, pra aproveitar que as pelinhas estão moles e fazer uma esfoliação. Mas cuidado pra não exagerar e fazer mais caca com as pelinhas rebeldes. Agora eu uso a escovinha depois de usar um dos creminhos amolecedores, mais pra remover uma ou outra pelinha e retirar bem o produto.
Pelo menos uma vez por semana eu passo um dos creminhos de cutícula pra dar um jeito nelas (às vezes faço o processo todo 2 vezes por semana, dependendo de como elas se comportam. No geral, só uma vez mesmo já é o suficiente). Tenho usado mais o removedor da Granado, mas não sigo as instruções deles hehe, faço do meu jeito mesmo. Passo o creminho em todos os dedos de uma das mãos e espero de 3 a 5 minutos, sem mergulhar os dedos em água (aliás, eu nunca mergulho as cutículas em água antes de empurrar, independente do creminho que estou usando). Depois desse tempo só o creme já amoleceu elas e daí eu empurro com a espátula. Depois de empurrar passo o lado faquinha e vou retirando as pelancas. Quando tem uma mais teimosa que não sai com a espátula, eu apelo pra pinça e puxo a pelanca com cuidado.

Depois faço isso na outra mão. Terminadas ambas as mãos eu as lavo usando a escovinha. Assim não sobra nem pele nem creminho pra atrapalhar na esmaltação.
Eu também evito usar acetona pura. Uso o Removin da Ideal, que remove bem e não resseca tanto as cutículas. Quando vou tirar algum esmalte escuro ou muito chato de tirar eu passo um pouquinho de Bepantol nas cutículas antes de remover o esmalte que é pra não judiar tanto das coitadas. Isso também ajuda pra que o esmalte não grude e não manche as cutículas na hora de removê-lo.
Depois de ajeitar as cutículas, se eu for pintar direto eu pinto normal e depois que tá bem seco o esmalte eu passo ou Bepantol ou um creme hidratante, dependendo do estado delas e de eu pretender tirar fotos imediatamente ou não. Se eu não for pintar na mesma hora, eu tasco Bepantol, pra hidratar as cutículas e as unhas. Fica uma lindeza heheh, bem limpinho e hidratadinho.
Apesar de ser o ideal, confesso que não passo creme todas as vezes que lavo as mãos, porque eu lavo muitas vezes e não tenho paciência de passar creme em todas elas. Mas procuro hidratar durante o dia sim, porque a água e o sabão ressecam demais a minha pele.
Basicamente é isso. Procuro evitar o alicate, porque quase sempre faço caquinha quando resolvo usar. Deixo ele só pra alguma pele que se puxar pode acabar machucando. No mais, é só creme amolecedor + espátula + pinça + escovinha. E hidratação. Essa é a palavra de ordem: hidratação. Tens que ser persistente no começo, mas garanto que o esforço vale a pena. Acho que a manicure fica muito mais fácil e o acabamento da esmaltação muito melhor e mais bonito.
Acho que não esqueci de nada. Qualquer coisa, pergunte.”

Bem, depois dessa mega aula, juro que vou tentar largar o vício do alicate. Sei que provavelmente vou ter que enfrentar umas sessões de AA (Alicates Anônimos), mas tudo em prol de ter cutículas roxíveis (derivado de roxa de inveja) assim. Cá pra nós, mais explicadinho do que isso não poderia ser. Melhor do que isso só ela indo na nossa casa explicar pessoalmente.
Bem, meninas, mãos à obra aquelas que não vivem sem alicate. Juro que vou tentar…
Ah, e antes que eu me esqueça, a espátula a que ela se refere é essa (mais uma comprinha de Santa Monica):


Quero também falar sobre o Bepantol. Quando fui comprar o dito-cujo, não encontrei o BEPANTOL sozinho. Encontrei somente o BEPANTOL BABY. A mulherzinha na farmácia me disse que é a mesma coisa.
Hoje andei fuçando na net e vi controversos depoimentos sobre a diferença da antiga embalagem e da nova (escrito BABY). Encontrei um link pra lá de esclarecedor, em um blog de uma farmacêutica. Acho que vale a pena vocês conferirem. Para verem o post, clique aqui.

Bjs

Adri =)

Eis o vídeo:

O Amolecedor de Cutícula da Derma Nail que eu mostro no vídeo é muito bom, mas depois de usá-lo com frequência notei que as minhas cutículas, que já são fininhas, ficaram mais finas ainda, e algumas pelinhas ergueram. Não deixo de recomendar o produto, já que ele cumpre o que promete, mas usarei com mais cautela nas mãos. Acho que pro meu tipo de cutícula nas mãos o melhor ainda é o Creme para Cutículas da linha Pink da Granado, que nunca ergueu pelinha nenhuma. Esse da Derma Nail creio que surtirá um excelente resultado nas cutículas dos pés, que são mais revolts hehe.

Beijos,
Nina