PROMOÇÃO CONVITE BEAUTY FAIR 2014 – 6 a 9 de setembro

Untitled-1

Bom dia, Meninas!

Vamos fazer uma brincadeira aqui. Eu tenho um convite VIP para os 4 dias de feira BEAUTY FAIR nos dias 6 a 9 de setembro.
Não vou sortear; minha proposta é que aquela que chegar mais perto dos três últimos números do convite levará o convite, que é patrocinado pela ESMALTE JADE.

REGRAS:

1) Curtam a nossa página no Facebook e coloquem nos comentários do post lá (OU AQUI, SE VOCÊ NÃO TIVER FACEBOOK) UM número de “0 a 350″. A que chegar mais perto leva o convite. ATENÇÃO PARA A FAIXA DE NUMERAÇÃO VÁLIDA! ACIMA DE 350 NÃO CONTA!
2) Em caso de duas pessoas acertarem o número, levará o convite aquela que falar primeiro o número.
3) Aquela que colocar número mais de uma vez, será desclassificada.
4) SERÁ DESCLASSIFICADA A PESSOA QUE NÃO CURTIR NA PÁGINA
5) Esta promoção encerrará dia 30/08/14 às 8 da manhã.

Só há UM convite, então não adianta chororô, hehehehe

A título de informação, cada dia, sem convite, custa 120,00. O convite dá direito a 4 dias.

BOA SORTE!!!

Bjins

Adri :D

Cachecol de Lã – Jade

Boa noite, meninas!

Muito tempo, né? Pois muita coisa aconteceu desde o dia 7/5, data da minha última postagem. Neste meio-tempo, as unhas quebraram duas vezes, cotoquei tudo, e chegaram os 6 esmaltes da nova coleção “Inverno Pede”, da Jade.

jades

Ainda estou emburrada com cotoquettes, mas não podia simplesmente sumir do blog só porque as pontas das maleditas unhas estão in love com os seus respectivos sabugos e não os querem abandonar. Ademais, ficar sem fazer “azunha” me deixa meio borocoxô. Não tem nada mais deprimente do que unhas em petição de miséria. Então, cá estou hoje, trazendo o único esmalte da coleção que acho digno de mostrar com essa vergonha de unhas curtas: o CACHECOL DE LÃ.

*** ESTE ESMALTE NÃO É 3 FREE ***

Cachecol de Lã - Jade

Este é um esmalte branco cintilante, com brilhinhos prateados. É um esmalte de cobertura, e como tal, é relativamente transparente. 

Eu, particularmente, não curto muito este tipo de acabamento cintilante, porque sempre ficam os riscos do pincel na mani, o que me lembra aqueles esmaltes da Colorama de 1950, rsrsrsrs.

Cachecol de Lã - Jade2

E como ele é transparentinho, eu resolvi usar como base um esmalte branco. Passei uma camada do Cream Puff, da linha Vinylux da CND, que é um esmalte branco de excelente cobertura (cobre com uma camada caprichada) e tem um brilho magnífico. Depois, passei duas camadas do Cachecol de Lã, porque achei que com uma só não ficou muito boa, pois vi muitos riscos do pincel. Mas mesmo depois da segunda, ainda fiquei de implicância com os riscos, mas deixei assim mesmo. Finalizei com top coat da Dare to Wear e pronto.

Cachecol de Lã - Jade3

Hoje está uma noite meio abafadeeenha, e como podem ver, deu algumas bolinhas na mani. Nem foi só por culpa delas que não curti muito essa esmaltação; acho que foi todo o conjunto (unha curta demais, esmalte cintilante e bolinhas). Mas tenho mesmo que confessar, que este tipo de cintilante não é minha praia, embora ache que os brilhinhos extras que ele tem são bem charmosinhos. Mas os bichinhos ficam acanhadíssimos sobre fundo branco. Não sei se em outras cores dariam o ar da graça.

Esta coleção ainda não está disponível na Esmalteria da KK, mas em breve eles estarão entrando no estoque da loja; fique de olho.

E no último fim de semana, resolvi ir à casa da Gabi. Ela está morando com a amiga no apartamento da mãe da tal amiga, enquanto o apartamento delas, que fica no mesmo prédio, está em reforma. Eu quase não fui porque na semana anterior eu ia, mas tomei um tombo da escada (dei mole aqui) e mal conseguia andar. Fiquei com algumas partes do corpo tão roxas que quase parecia preto. Como a intenção da minha ida também era bater perna no centro do Rio (Saara – AMO!) no sábado com Gabi, eu acabei não indo, pois, como iria bater perna sem conseguir andar direito?

Desta vez, estava tudo planejado para eu ir no último fim de semana, e na quinta-feira dei uma topada, com muita vontade, num degrauzinho no banco, que quase fiquei sem dedo. Ficou roxo na hora (está até hoje com sangue pisado), e mal conseguia andar, de novo. Até fiquei cismada, pois sempre que planejava ir para o Rio algo acontecia, como se fosse um aviso para que eu não fosse. Mas como no dia seguinte eu já estava andando direito, resolvi parar de cisma e entregar nas mãos de Deus. Arrumei minhas tralhas e parti pro Rio.

Quando estava passando no alto da ponte Rio-Niteroi, estava ouvindo uma música dos meus tempos de 20 e poucos anos. Naquele momento, já era fim de tarde, e a vista estava muito linda lá de cima. Me senti tão feliz que até comecei a chorar sorrindo. Agradeci a Deus por ter me ensinado que depois da dor e de profundas tristezas (por que passei anos atrás) temos capacidade de conquistar a felicidade plena. Hoje sou uma pessoa tão feliz que se melhorar estraga, rsrsrsrsrs.

Foi minha primeira vez com Gabi no Rio, desde que ela se mudou, e passeamos bastante, a pé e de táxi, porque achar uma vaga pro carro na rua foi tão difícil, que não me atrevi a usá-lo para mais nada, senão para voltar pra casa, somente.

Fomos a shoppings, descobrimos lugares muito maneiros para um “happy hour” a pé, e comprei muitas coisas legais nos supermercados locais. Uma das compras magníficas que fiz foi uma manteiga francesa de matar e morrer por ela: LA MOTTE, da Président.

la motte

Quem nunca experimentou, compre! É uma manteiga cara – paguei 15 reais nela (mas até que foi barata, porque já paguei 31 reais nela em Búzios!), mas certamente será um dinheiro muito bem gasto. Ela é extremamente cremosa, e é entremeada com sal marinho; não são grãos de sal, mas camadas moles de sal. Não sei se é coincidência, mas a manteiga já está há dias fora da geladeira, e não ficou rançosa e nem há indícios de que ficará, mesmo com os dias abafados que tem feito; continua cremosa e absurdamente magnífica e deliciosa. E eu, que estou tentando me livrar do colesterol alto, preciso passar longe dela, porque é tão gostosa que dá vontade de comer de colher (sem exagero!).

Além dessa manteiga, comprei outra coisa que não posso mais viver sem, ainda mais agora que descobri que vende pertinho da casa da Gabi: queijo minas frescal do Sítio Solidão.

queijo minas SS

Conheci esse queijo ano passado, quando fui à casa da minha amiga de infância em Miguel Pereira, onde fica o Sítio Solidão, que faz ainda deliciosos embutidos, e cachaça, além de queijos e outros laticínios.

Para o queijo minas deles, eles utilizam leite de ovelhas, e não de vaca. Talvez seja por isso que esse queijo é diferente de todos os que eu já comi. Além de deliciosíssimo, super macio/cremoso e salgadinho no ponto certo, ele fica perfeito mesmo depois de vários dias na geladeira, ironicamente, talvez pela ausência de conservantes. Não amarga e nem mela, como os minúsculos queijos que costumo comprar aqui no vilarejo; incrível! O sabor do SS continua o mesmo, se não ficar melhor. Nunca vi isso em queijo minas nenhum na minha vida! Isto só me faz entender porquê esse queijo já ganhou várias vezes o prêmio de melhor queijo do braseeel.

Para ver onde são vendidos o queijo no Rio de Janeiro, clique aqui. Acredito que esta lista não esteja atualizada, pois estive em uma das lojas indicadas (no shopping Rio Sul) e ela não vende mais o queijo.

Voltando ao fim de semana, vi muitas outras coisas super maneiras nos mercados e lojas, e só fiquei pensando que vou precisar fazer mais visitas à Gabi, no Rio, heheheheh. Entregarei nas mãos de Deus, pois tenho medinho do Rio, mas vou só confiar que quando for minha hora eu terei que ir, esteja eu no Rio ou dormindo na minha cama, hehehehe.

E voltando à realidade do vilarejo, recomecei hoje a fazer academia. Estou precisando sair do sedentarismo, senão daqui a pouco não aguento mais nem andar nas minhas viagens, hehehehe. Falando nisso, estamos quase em contagem regressiva para a próxima viagem, e já pensando na próxima, hehehehe. Daqui a pouco vou mudar o tema do blog para viagens e deixar os esmaltes de lado!

Então é isso, meninas. Voltarei em breve com mais um esmaltinho para vocês. Vou ver se não fico tanto tempo longe, desta vez.

Beijocas em todas.

Adri =D

Olá, Estou Viva!

Boa noite, meninas.

Já estou no meu terceiro dia sozinha, e experimentando uma nova condição de vida que eu só costumava ter por poucos dias, quando Gabi ia pra casa do pai nas férias das escolas. Só que desta vez não serão poucos dias, mas eu estou bem consciente disso.

Minha cunhada, que é psicóloga, estava preocupada com minha “sanidade mental” por causa desta nova condição, e me telefonou para saber como as coisas estavam. O resumo da conversa foi ela encerrando a ligação me parabenizando por me ver tão bem, aceitando muito bem minha nova solitária vida.

Uma coisa que eu acho bem legal de ter, para pessoas solitárias, é um aquário. Eu já tive um, mas dá um baita trabalho pra cuidar, e os peixes acabam morrendo muito, porque os primeiros dias dentro do aquário definitivo são cruciais. Peixes são bichos muito melindrosos, e se não se aclimatarem bem no aquário, acabam morrendo mesmo. E aquários são a coisa mais gostosa que tem, pois a gente fica ouvindo o barulhinho das borbolhas na água (da bomba de oxigenação) e os peixes deslizando por entre as plantas e pedras, num balé que faz a gente ficar com olhos vidrados, tentando adivinhar qual a próxima reação de cada peixe. Deu até saudade…. Então, lembrei que há alguns anos atrás existia um screen saver de aquário, e resolvi procurar. Achei um tãããããão realístico que instalei. E depois, não aguentei e comprei, sob protesto da Gabriela, a licença para expandir as opções do screen saver. Ela achou um absurdo pagar por um screen saver. Mas vejam esse vídeo e concordem comigo que foi uma boa aquisição, hehehehe:

A versão gratuita desse screensaver já é muito legal, só que tem apenas uns 5 tipos de peixes. Mas mesmo na versão grátis, você pode customizar várias coisas, como velocidade das bolhas que sobem, tamanho dos peixes, a frequência com que a comida é jogada, e, hehehehe se quer que o peixe faça ou não cocô! Comprando a licença, você tem direito a incluir muito mais peixes, e tem cada um mais lindo que o outro. Essa versão é de peixes de água doce, mas tem a versão de água salgada, também. Só que esse de água salgada achei mais “artificial”. Os peixes não nadam graciosamente, mas meio “robotizados”; não são tão reais quanto os do screensaver de água doce. Ah, e o de água salgada não tem versão grátis. Pra usar tem que comprar a licença de qualquer jeito. Esse, eu não comprei, porque não achei que valia a pena.

E ontem, meio enjoada de trabalhar, resolvi ir ao shopping, e aproveitei para pegar um cineminha. Depois do filme, fui jantar no Lucca, meu tradicional restaurante, e o maitre perguntou pela Gabi. Quando comecei a contar a história, senti que ele ficou com medo de ter tocado num assunto pra lá de delicado, e eu abrir o berreiro ali mesmo. Mas nem uma lagrimazinha deslizou pelo meu rostinho bolachudo, e muito menos fiz cara de enterro. Conversamos uns bons 10 minutos, enquanto o restaurante ainda estava vazio (fui a primeira a chegar), e no meio do meu jantar, regado a um ótimo vinho branco, foi a vez de conversar com um dos garçons, que sempre nos atendia quando íamos juntas, eu e Gabi. E a história se repetia, e ali conversávamos sobre nossas experiências de vida como se fôssemos amigos de copo. Mas, como o restaurante já estava enchendo e minha bruschetta estava ficando fria, ele foi trabalhar. Parabéns pra mim, que não expressei tristeza em momento algum!

E para não ficar parada, hoje fui caminhar, para agitar um pouco o corpo. E enquanto caminhava passando pelas muitas árvores e chão carregados de jamelões, fazia uma retrospectiva da minha vida. Faltam somente 2 quilos para eu voltar ao peso que eu estava quando tive minha grande queda psicológica em 2012 (nossa, como o tempo passa rápido), após a qual emagreci 11 quilos. Então, isso mesmo, engordei 9!

Mas não ligo mais para minha aparência física tanto como era há um ano atrás, quando eu estava de tititi com aquele médico lunático dos lindos olhos azuis. Estou ligando mais para minha aparência psicológica do que qualquer outra coisa. É claro que não vou virar desleixada nem um trubufu, mas não tenho mais aquele ardente desejo de ficar gata, porque depois das duas frustradas experiências que tive com homens, cheguei à conclusão que não existe homem à minha altura, e que seja como eu acho que tenha que ser. Então, quero só ficar ao menos saudável, e não andar em roupas extremamente apertadas, porque é um horror de incômodo, ou então ter condicionamento físico suficiente para não enfartar depois de subir os dois lances de escada que preciso subir para ir pro meu quarto. Além disso, não me restou muita coisa que eu goste tanto perto de mim, além da minha casa e meus bichos. Comer e beber BEM é um dos grandes prazeres da minha vida; pena que tenha “efeitos coLATERAIS”, pois a gente cresce pros lados.

Gabi está visivelmente feliz, pela forma como fala, pelas coisas que conta. É tudo o que importa. E ela vendo que eu estou bem, fica bem também. Então, quis vir aqui contar para vocês como as coisas estão, para que não fiquem preocupadas, porque sei que muitas devem estar querendo saber como estou. ESTOU MUITO BEM sozinha! (por enquanto)

Cotoquettes estão se ajeitando, e em breve recomeçarei a mostrá-las aqui.

Agora faltam 28 dias para nossa viagem, e eu ainda não estou empolgada. Acredito que isso só vá acontecer quase em cima da hora. Mas apesar disso, já estou fazendo a contagem regressiva. Acho que vai ser uma viagem legal, principalmente porque vou voltar com a mala recheada de coisas interessantes: ESMALTES!!!!

Hoje resolvi comprar na Born Pretty uns decalques de água com motivos bonitinhos para unhas. Já li em tantos blogs indicação da loja, que resolvi experimentar. Comprei bastantes decalques, e o frete foi só 3 doletas. Agora é esperar que cheguem, e provavelmente chegarão quando eu estiver viajando. Só lembrei disso depois que comprei. Vou precisar da ajudinha de uma amiga minha para resolver isso! Tatiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Então é isso, meninas. Vou ficando por aqui, porque tenho que terminar um trabalho hoje ainda.

Beijos e ótima semana para vocês!

Adri =)

Um Momento Delicado

Por do sol

Boa tarde meninas.

Hoje não teremos esmaltes. Aliás, vai demorar para termos esmaltes por aqui de novo, pelo menos da minha parte. Sábado passado três unhas quebraram no sabugo, quando voltamos do shopping com compras. Fui abrir a porta da mala do carro e ela escapuliu da pegada, daquele jeitinho que toda amante de unhas longas teme. Quando ouvi o barulho da porta batendo nas unhas, já imaginei que o estrago tinha sido grande, e foi.

Por um lado foi péssimo, pois eu estava parecendo um pavão, toda orgulhosa das manis lindas que eu vinha fazendo, mas por outro foi ótimo, porque assim eu dou mais atenção ao meu trabalho, que está MUITO carente de dedicação. Eu vinha gastando muito tempo com esmaltes, e isso estava me prejudicando, porque agora estou sozinha no trabalho, já que a pessoa que trabalhava comigo arrumou outro serviço.

Todo início de ano são contas e mais contas, impostos e mais impostos, taxas e mais taxas, e além disso, ainda tenho as despesas da famigerada separação, que finalmente acho que está andando pra frente, mas numa época em que eu estou tendo que apertar o cinto. Com tantas contas/impostos para pagar, e ainda a faculdade da Gabi, que me tomará MUITOS reais, a hora é de economizar e não gastar com coisas supérfluas.

Muitas vezes me pego lamentando a próxima viagem que farei, apesar de querer muito ir e principalmente dar a oportunidade da Gabi conhecer lugares lindos, que eu conheci quando tinha a idade dela. Se eu tivesse a opção de não ir, eu não iria. Só vou porque eu me comprometi com minha amiga. Da mesma forma que eu não gostaria nadinha de levar um bolo desses – programando férias muito desejadas e descobrir que teria que ir sozinha pela desistência da outra pessoa – não posso simplesmente dizer a ela que não vou mais viajar e achar que tudo ficará bem.

Até Gabriela está preocupada com as duas semanas de aula que perderá, entre aspas. Mas como vamos na época do Carnaval, então poderíamos dizer que vai faltar uma semana, já que teremos tantos dias de “feriado”.

E falando em Gabriela, ela hoje me mostrou a dura realidade da minha vida, e eu confesso que fiquei MUITO triste. Numa conversa com ela, em um dado momento eu falei: “quando você voltar pra cá…”. E ela imediatamente olhou pra mim e disse: “Eu não vou mais voltar”…

Gente, isso foi uma facada no coração… Perceber que o que eu mais temia finalmente vai acontecer, me partiu o coração. É claro que eu não pude conter as lágrimas que desceram lentamente dos meus olhos.

É difícil ter que tomar uma decisão. Gosto tanto da minha casa, mas gosto mais da minha filha. Ficar entre a cruz e a caldeirinha é uma situação que me tira da minha zona de conforto. Ficar perto da minha filha, que daqui pra frente só terá cada vez menos tempo para mim, significa abrir mão de tudo o que eu construí, abrir mão da minha linda vista para a lagoa, da brisa marinha fresca que entra pela janela do meu escritório, da amplitude da minha casa, do meu jardim e temperinhos frescos, dos meus animais… São muitas coisas das quais teria que abrir mão. E como eu disse, daqui pra frente terei menos Gabriela na minha vida, pois ela começará a faculdade, e talvez em breve tenha que arrumar um emprego, daí virão as festas, e quem sabe encontre um amor, e obviamente o pouco tempo que ainda conseguisse ter para mim, acabaria de vez.

Então fico me perguntando: será que vale a pena sair da minha zona de conforto, abandonar tantas coisas de que gosto, e enfrentar uma selva de pedra em nome de alguns pouquíssimos minutinhos por dia com minha filha? Ou será que é melhor continuar com um lugar que me dá paz e esperar que ela volte como “visita”, para passarmos bons momentos juntas? Se eu pudesse levar minha casa embora daqui, seria perfeito!

Não sei o que fazer, não sei o que pensar, mas sei que essa decisão, somente eu posso tomar (rimou!). Acho que o melhor a fazer é deixar o vento levar meu barco. Acredito que as coisas acontecem quando têm que acontecer, e que o melhor é não ficar com síndrome de peru de Natal. Morrer de véspera sempre foi uma característica minha, cujo comportamento tenho buscado não ter mais, e acho que até tenho me saído bem.

Outra coisa que não contei a vocês, é que a Thais disse que está procurando outro emprego, para poder voltar para o Rio. A empresa que está de olho nela só poderia contratá-la no próximo semestre, e só então saberei se ela irá mesmo ou não. Terei que voltar à estaca zero e procurar outra pessoa. Por isso, concluo que o melhor na vida, é não se apegar a nada, pois assim a gente sofre menos.

Então é isso, meninas. Acredito que passarei por um momento de reclusão. E espero que vocês não esqueçam de mim, porque eu sou um ser humano e tenho problemas como todo mundo. Às vezes preciso ficar sozinha. Quem sabe, quando minhas unhas crescerem de novo, eu volte mais animada, ou fique menos deprimida.

Beijos em todas, e tenham uma ótima semana.

Adri

Mirage – Jade

Boa noite!

O nome do esmaltinho de hoje só me faz lembrar a ilusão de óptica de água (miragem), que pessoas no deserto costumam ter devido ao forte irradiação de calor da areia. Me sinto num deserto!

Quer dizer, me sentia, na verdade. Graças à Gabi, que deu faniquitos aqui por causa do calor, compramos uma piscina de “prástico” de 2400 litros. Já dá pra fazer uma farra, e até que agora ando bem mais animada pra trabalhar.

piscina piscina

A piscina inflável da Intex é óóóótima! Basta inflar a borda dela com uma bombinha manual, também da Intex (mesmo fabricante dos colchões infláveis), encher com água e voilá! E para não enchê-la debaixo do sol esturricante, enchemos na nossa varanda, e desta forma, a maior parte da piscina fica o tempo todo na sombra, e consequentemente a água fica bem mais fresquinha. Está sendo uma maravilha. Agora só trabalho de biquine, hahahaha. Quando o calor aperta, lá vou eu.

Quando o “falecido” dizia que queria construir piscina aqui em casa eu sempre era do contra, e ele chegou a fazer dois projetos diferentes de piscina. Graças a Deus eu venci, senão estaria muito pau da vida de herdar uma casa com uma grande aporrinhação, ainda mais que eu fujo de sol como vampiro foge de alho. Conheço várias pessoas que dizem que piscina só vale a pena no verão, e no resto do ano é só dinheiro jogado no ralo. A grande maioria dessas pessoas se arrependeu de construir/comprar a piscina. Mesmo se não usar a piscina, é preciso fazer a manutenção durante todo o ano, e isso representa gasto com produtos para manutenção da água (que não são baratos, ainda mais se a piscina for muito grande), energia elétrica (para filtrar a água) e o piscineiro (ninguém tem saco de fazer a mesma coisa o tempo todo), fora o custo da própria piscina. No mínimo, por baixo, se gasta uns bons 200-300 reais por mês.

Com essa piscininha, que custou 100 realitos, a gente se acaba, porque ela é mais do que suficiente para nos refrescarmos. Não queremos nadar nem mergulhar, é só para ficar submersa mesmo. Praticamente todo ano tenho que comprar uma nova, porque a borda acaba furando, se não tiver cuidado. E ano passado, ou melhor, em 2012, hehehe) meus sobrinhos vieram para nossa cassa passar o mês de dezembro, e a piscina acabou furando toda mesmo; ficou parecendo uma peneira, heheheh. Até dá pra reparar, mas dependendo da quantidade de furos, melhor jogar fora e comprar outra. 100 reais por ano está mais do que de bom em comparação com 3600 reais anuais necessários para se manter uma piscina fixa.

E o bom dessa piscina é que ela vem com furos necessários para instalar uma bomba filtrante portátil para limpeza da água, se a pessoa quiser. Eu comprei essa bomba e usei só no primeiro ano em que comprei a piscina, há uns 4 anos atrás. No ano seguinte não usei mais, pois quando fui pegar a bomba para usar ela havia estragado pela falta de uso (e o cloro da água é um terror). Achei besteira comprar outra, porque não é baratinha, e é uma mão de obra danada instalar e colocar a “bixa” pra funcionar. Muitas vezes a gente ligava mas a água não circulava. Se tiver uma brechinha de milímetros que permita a entrada de ar, já era. É preciso vácuo total para funcionar, e era conseguir o danado do vácuo que me fazia perder a paciência com a bomba. Mas quando funcionava era uma beleza!

flutuador_hth

Achei menos aporrinhante passar a usar o flutuador da HTH, que contém todos os produtos necessários para a água não “estragar”, e depois que a sujeira decanta eu sugo com uma mangueira, por gravidade, e completo com água nova. Assim funcionou muitíssimo bem e deixa a água sempre bem limpa. O inconveniente deste método é que é preciso ficar lá segurando a mangueira e ir sugando as sujeiras do fundo, coisa que não é tão necessária se usar a bomba filtrante constantemente, já que ela capta a sujeira da água durante o funcionamento. É claro que tem que usar a peneirinha para tirar as sujeirinhas e insetos que inevitavelmente caem na água.

Enfim, amo incondicionalmente essa piscininha, e recomendo!

E voltando ao esmaltinho de hoje, é um verde, corzinha da qual não sou muito fã, hehehe: MIRAGE, da Jade.

Mirage - Jade2

E apesar de eu não curtir muito verdes escuros, esse foi relativamente “perdoado” por ser holo, que é um efeito em esmalte que eu amo.

Mirage - Jade4

O Mirage eu passei por cima do Helena, da Impala, que usei aqui outro dia, pois eu acho que são necessárias muitas camadas dos holos da Jade sozinhos para cobrir bem (pro meu gosto) e eu acho que fica meio apagadinho. Uma cor de fundo, na minha opinião, deixa o holo com uma cor mais forte.

IMG_8262

Passei duas camadas dele sobre o Helena, e assim achei que ficou bom o tom.

Como vocês sabem, os holos da Jade são realmente “indecentes”. Têm um espectro lindo, e são super fáceis de passar, além de sair da pele com muita facilidade também.

Mirage - Jade3

*** ESTE ESMALTE NÃO É 3 FREE ***

Eu só tirei esse lindo, porque é verde, né… É a única cor que ainda não “frechou” meu coração. Só os verdes clarinhos que consigo usar já gostando, mas já foi um enorme progresso, pois nem deles eu gostava.

Mirage - Jade

Esse esmaltinho e todos os outros holos lindos  da Jade, você compra por 7,30 realitos na Esmalteria da KK.

Então é isso! Boa noite a todas, e obrigada pela visita!

Bjs

Adri =D

Descalcificador para Cafeteira Expressa

Certo… sei que isso não tem nada a ver com beleza, tampouco com esmaltes, mas eu sei que assim como eu, deve haver várias de vocês que não vive sem uma cafeteirazinha de expresso. E para essas pessoas, este post é importante, hehehehe.

Nas minhas andanças pelos States eu conheci e comprei um produtinho que nem sonhava existir. Nem imaginei que sequer fosse necessário, já que o meu negócio mesmo é só tomar café e ponto! E bisbilhotando o departamento de cafeteiras expresso na Macy’s (não importa quantas vezes eu vá lá, eu sempre olho as cafeteiras), eu vi esse produto lá na prateleira. Sem saber o que era, fui olhar de perto o que aquele frasco de “água” estaria fazendo ali. Ei-lo!

foto 2

Depois que eu li o rótulo é que eu entendi o que eram  aquelas manchas brancas na borda do reservatório da cafeteira, que se estendia para dentro dele… é calcificação.

Leiam este trecho do site da Nespresso.

“Em 90% dos casos, as avarias das máquinas de café de cápsulas têm origem na acumulação de calcário no interior da máquina. Analisemos este problema e as medidas preventivas que podemos tomar para fazer uma boa manutenção das máquinas de café mono dose.
O que é o calcário?
O calcário é um depósito de carbonato de cálcio, formado por uma reação química durante o aquecimento da água, precisamente o que acontece nas caldeiras das máquinas de café.
Normalmente, a água com maior dureza deposita a maior quantidade de calcário.
Em geral, qualquer tipo de água submetida a aquecimento, deixa vestígios de calcário.
Será o calcário um problema?
A acumulação de calcário tem várias consequências:
* Reduz o fluxo de água através do circuito interno.
* Em segundo lugar, reduz a capacidade de aquecimento da caldeira.
As peças mais afetadas pelo calcário são as caldeiras, bombas de pressão e, geralmente, qualquer parte onde a água a ferver é canalizada.
Como posso evitar o calcário?
* Nunca utilize água mineral, tem demasiado calcário.
* De preferência, use água da torneira e água filtrada se possível.
Periocidade de descalcificação da máquina de café:
Depende de muitos fatores, mas existem dois principais. A qualidade da água que utiliza e da quantidade de água que atravessa a máquina.
Em geral, deve-se descalcificar a máquina a cada 300 cafés ou de 3 em 3 meses.
Como se descalcifica uma máquina de café de cápsulas?
A primeira coisa a fazer é ler as instruções que vieram com a máquina de café de cápsulas.
Siga também estas instruções:
1. Use uma solução descalcificadora de ácido cítrico específica para máquinas de café expresso. Esta solução é inodoro e biodegradavel que não afeta o sabor do café.
2. Há muitas pessoas que usam vinagre, mas não será aconselhado para máquinas de café de cápsulas porque pode danificar as juntas de ligação.”
 

No meu caso, não tenho máquina de cápsula, mas o rótulo do produto acima deixou claro que qualquer cafeteira expressa está sujeita à calcificação.

E depois de 3 anos ingerindo resíduos de calcificação junto com meu cafezinho, eu conheci o descalcificador e finalmente usei na minha cafeteira.

foto (1)

Minha cafeteira, é claro, comprei na Macy’s, em 2008, e está ainda de vento em popa sem nunca ter dado defeito. Lembro que na época perguntei para a vendedora se Krups é uma marca boa, e ela me disse que depois das marcas VIP (com Nespresso no topo da lista), a Krups é uma marca muito vendida e confiável. E foi ela mesma que comprei por uns 50 dólares.

Tirando a jarrinha de vidro lindinha que minha secretária detonou logo nos primeiros meses de vida, a máquina nunca deu problemas, e está “veínha de guerra”, firme e forte. Então, nada melhor do que dar um boost na coitadinha, para garantir mais uns aninhos de vida. Para tanto, comprei na Macy’s dois vidros do tal descalcificador em julho deste ano, quando fui para Long Beach. De lá pra cá, a cada 3 meses faço a limpeza, que consiste de colocar 30 ml de fluido para cada 450 ml de água e jogar no reservatório, e em seguida ligar a máquina até a água sair toda pelo bico de saída do café. Depois, deve-se repetir esta etapa uma vez e seguir com dois ciclos só de água pura, para enxaguar.

Na primeira vez que fiz a tal limpeza, fiquei passada com a quantidade de cristais que saiu. Fico imaginando o quanto de cristais engoli em 3 anos de uso da máquina, aff! Tudo bem que isso não quer dizer nada, afinal de contas são minerais que já estão na água, e como diz o texto ali em cima, a própria água mineral que bebemos tem mais minerais do que a da torneira, só que em estado “líquido”, e não “petrificado”, como sai pela máquina.

Enfim, ingerindo cristais de calcário na forma líquida ou sólida, eu não quero pozinhos no meu expresso sabor avelã (amooo), que não o do próprio café, e tampouco quero que a minha cafeteira bata as botas por entupimento por calcário. Se cuidarmos das nossas coisas elas poderão durar muito mais tempo.

Eu fiz a limpeza hoje, e deveria ter tirado foto dos cristais pra vocês verem, mas quando lembrei já tinha entornado ralo abaixo. Mas, mentalizem água com grãos de areia de praia no fundo; é quase isso!

Eu simplesmente AMOOOOO café, e fazer um café fresquinho rapidísismo sem emporcalhar utensílios e nem ter que lavar nada depois (só a xícara e a colher), não tem preço! Se algum dia minha Krupzinha for desta para melhor, certamente haverá outra na minha wishlist, que trarei como bagagem de mão novamente numa próxima viagem aos States.

Assim como há esta marca, deve haver muitas outras. Basta procurar por “coffee maker cleaner”!

É isso então, meninas.

Bom fim de semana para vocês. Por aqui será com chuva, mas eu estou achando ótimo, porque o calorão que estava ontem, ninguém merece! Pelo menos hoje está beeeeeem fresquinho!.

Bjus

Adri =D

Quase lá!

Walt

Boa noite amiguinhas!

Estou desaparecida por algumas razões, mas está tudo bem por aqui. Andei correndo pra entregar uns trabalhos antes de viajar, daqui a dois dias, e as unhas também não estão contribuindo muito. Aconteceram algumas “catástrofes” e acabei relaxando total na disciplina PILL FOOD. Quando já estavam num tamanho quase bom, uma unha quebrou de novo misteriosamente, e tive que sabugar tudo, e vocês sabem que eu não me animo muito a pintar as unhas com sabuguettes. Com isso, acabei começando a esquecer de novo de tomar PILL FOOD regularmente. #desleixogeral

Mas também não adianta agora fazer nada, pois como só faltam dois dias para a viagem, não adianta tomar. Eu não posso levar o remédio comigo, porque tem que ficar na geladeira, não sei exatamente o motivo. Então resolvi voltar à disciplina quando retornar pra casa, já que certamente acabarão acontecendo mais “acidentes” na viagem. É meio impossível não quebrar unhas carregando malas, pacotes, etc. nessas viagens.

Mas, hoje estamos bem animadas com a viagem, e já fazendo planos e traçando o roteiro. Já começamos a arrumar as malas, mas como sempre, levaremos pouca coisa para sobrar espaço nas malas pra trazer “umas coisinhas”. Pena que serão somente 7 dias e meio de passeio. Se eu pudesse, juro que ficaria mais uns 3 dias. Já sinto o gostinho do Red Velvet do Cheesecake Factory…

Gabi vai aproveitar a viagem para fazer sua prova de fotografia (uma das matérias da faculdade), e acho que vai tirar excelentes fotos, pois uns dos lugares mais legais para se tirar fotos são os parques em Orlando, dada a forma realística dos cenários dos parques, que nos transportam para outro mundo!

Falando em faculdade, Gabi fez o vestibular da ESPM ontem, mas não foi muito bem sucedida. Provavelmente não irá mudar de faculdade no próximo semestre, por conta disso. Por um lado é bom, por outro não. O que foi mesmo ruim nessa história de prova foi que ela acabou desenvolvendo uma gastrite nervosa, e o que está me agoniando agora é justamente viajar com ela assim. Ela está que nem uma loka correndo atrás do médico para ele ver os exames dela e pedir orientação a respeito, mas o diacho do médico está igual a sabonete, escorregando e escapando. Não vai ao consultório e nem atende às ligações dela. Estou vendo que ela vai ter que ir para os States munida de Buscopan e Omeprazol na mala, para emergências. Em todo caso, já tratei de adquirir um seguro viagem, just in case, para qualquer eventualidade. Não costumo fazer isso, mas é prudente. VAI QUE PRECISA!

E conversando hoje com a amiga que vai deixar meu carro na casa dela enquanto viajo (estacionamento no Galeão custa o preço de um rim), ela me perguntou se eu conheço o COLETOR MENSTRUAL. Nunca ouvi falar disso na minha vida, mas a primeira imagem que me veio à cabeça quando ela falou COLETOR MENSTRUAL foi um vampiro tomando um copinho de sangue, como se fosse uma tacinha de licor, com o dedinho levantado. Nojinho, sei, mas pensamento a gente não tem como impedir, heheheh.

Ela falou maravilhas do tal coletor, que já usa há um ano, e disse que lamenta demais não ter conhecido antes, de tão perfeito que é. Ela até me adicionou num grupo no Facebook sobre esse assunto, para que eu pudesse conhecer melhor a coisa.

Achei bastante interessante a proposta, e certamente quero experimentar esse trem. Algumas pessoas fazem carinha de nojo a respeito disso (Gabi foi uma delas), mas pra mim, não tem nada mais nojento do que um absorvente sujo de sangue coagulado e melequento, entre você e a calcinha.

O Coletor Menstrual nada mais é do que um copinho de silicone cirúrgico bem macio, que é introduzido na vagina, de maneira semelhante ao absorvente interno, de forma que ele capte, durante os dias de menstruação, o sangue que desce. Ele absorve até 3 vezes mais sangue do que o maior absorvente interno (OB/Tampax).

A vantagem do silicone é que, além da maior flexibilidade, não contém látex, pois em versões anteriores do produto feitas no passado, nos anos 30 (sim, é velho o produto!), foi usado látex, para o qual algumas pessoas têm alergia.

Para descartar esse sangue, basta puxar o “rabinho” do copinho, que tem saliências que facilitam essa operação, e jogar fora, no vaso sanitário. Algumas versões do produto têm uma argolinha ou bolinha no lugar do rabinho.

A primeira impressão que se pode ter é de ECA!!!, mas como eu falei antes, pra mim não tem nada mais ECA do que aquela almofadinha ensopada de sangue em contato com a “peca” durante várias horas do dia. Como o sangue é meu, não tem esse negócio de nojinho! Eu prefiro muito mais jogar o sangue líquido fora do que ter que enrolar o absorvente em papel higiênico e jogar na lixeira.

Pense na quantidade de absorventes que uma mulher pode “consumir” durante sua vida de ciclos menstruais! Pode chegar a 11.000 absorventes em uma vida! E isso me faz ver um segundo ponto super positivo para o Coletor Menstrual, pois ele é amigo do meio ambiente, já que você não terá mais que jogar fora “almofadinhas” sujas de sangue.

Um coletor desses pode durar vários anos, se for manuseado e tratado da forma correta. Imagine quantos absorventes você deixaria de usar durante esse período, sem falar na economia que você fará, já que deixará de comprar absorventes!

Vantagens do produto: 1) não absorvem umidade, nem deixam a região íntima abafada 2) têm um formato que pode ser facilmente inserido, após ser dobrado da forma correta (cada usuária tem uma forma preferida). Ao ser inserido, ele se acomoda naturalmente à área interna da vagina, não incomodando nem mesmo pessoas que praticam esportes como ciclismo ou equitação. 3) Pode ser usado por até 12 horas e chega a ser esvaziado de 2 a 4 vezes ao dia (dependendo do fluxo, é claro). 4) pode ser usado também por mulheres que usam DIU.

O coletor da marca finlandesa Lunette (a que comprei) vem com uma bolsinha, que pode ser levada na bolsa sem ocupar o volume de alguns absorventes, que inevitavelmente sempre temos na bolsa para emergências.

Da marca Lunette, o tamanho 1, que tem 41 mm de diâmetro,  é indicado para mulheres de fluxo leve ou jovens que ainda não tenham tido relações sexuais. O copinho, que comporta 25 ml, tem 47 mm de diâmetro e 47 mm de comprimento, e a haste tem 25 mm de comprimento. O tamanho 1 tem o silicone mais maleável que o do tamanho 2.

Já o tamanho 2 é indicado para mulheres com fluxo normal a mais intenso. O copinho, que comporta 30 ml, tem 46 mm de diâmetro e 52 mm de comprimento. A haste mede 20 mm de comprimento.

Algumas mulheres cortam a haste, se acharem que ficou grande demais. Mas isso não é regra.

Segundo o site da Lunette, foi cientificamente provado que os coletores menstruais NÃO causam a síndrome do choque tóxico (TSS), como é o caso dos absorventes internos (OB/Tampax), e não mudam a composição do sangue enquanto o coletor está inserido na vagina. Nunca houve casos reportados de TSS relacionados ao uso de coletores menstruais.

Segundo informações, as pessoas que EVENTUALMENTE sentirem incômodo do produto, não sentirão mais a partir do terceiro uso. Muitas pessoas não sentem incômodo nem no primeiro uso.

Vejam um vídeo de apresentação do produto, que achei muito interessante:

Para higienizar o coletor, ANTES e APÓS o uso, basta lava-lo com um sabonete líquido suave (imagino que seja melhor usar os que são usados para higiene íntima, na falta de um sabonete específico para a limpeza do coletor – a marca Lunette tem um sabão específico para isso). No último dia de uso do ciclo, após a lavagem, ferver em água por 5 a 10 minutos, em uma canequinha/panelinha dedicada ao coletor, e ele estará pronto para o próximo uso (lavar antes de usar de novo). Se não for possível ferver de imediato (caso esteja na rua, por exemplo), usar lenços umedecidos antibactericidas até poder ser fervido.

Recomenda-se que seja guardado na bolsinha que vem com o produto, para a devida ventilação. Recomenda-se, ainda, não guardar o coletor em potes hermeticamente fechados ou em sacos plásticos.

Os alertas são: 1) O produto não é contraceptivo e nem protege a usuária contra doenças venéreas.  2) Ele não pode ser usado durante a relação sexual. 3) Lavar as mãos após a manipulação do coletor. 4) Não usar o produto por mais de 12 horas sem que seja devidamente lavado dentro desse período.

Uma “desvantagem”, se é que pode ser chamado disso, é o custo.  O que eu comprei na Walgreens  (da marca Lunette – NÃO VENDE EM LOJA FÍSICA, SOMENTE ONLINE) custou 43 dólares (incluindo o frete). Aqui no brasil, de uma qualidade um pouco inferior, custa 70,00 neste site. Mas eu não chamaria o custo dele de desvantagem, pois ele terá se pago depois de 12 meses de uso, já que você terá deixado de gastar com absorventes comuns.

Outra “desvantagem” é a adaptação inicial ao uso do produto. Algumas mulheres têm um pouco de dificuldade de inserir o produto, no começo, por falta de prática. Mas como eu disse anteriormente, a pessoa acaba se adaptando a uma forma específica de dobrar x inserir, daí tudo fica mais fácil. Toda adaptação sempre é difícil. Há as que usem gel lubrificante para auxiliar na inserção.

Mandei entregar o meu no hotel onde ficarei em Orlando. Espero que tudo corra bem e que eu consiga recebe-lo sem problemas. Depois que eu usar, direi a vocês o que eu achei.

Bem, meninas, vou nessa. Tenho ainda algumas coisinhas pra entregar para meus clientes. E, estando já em ritmo de férias, não estou mais com saco de trabalhar, hehehehe.

Beijos em todas, e até daqui a dois dias, quando nossa jornada começará. Fiquem de olho!!!

Bjus

Adri =D